terça-feira, 22 set 2020
Publicidade

Dallagnol declara guerra a Raquel Dodge

O procurador da força-tarefa da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol resolveu abrir guerra contra a procuradora-geral da República, Raquel Dodge. Ela se posicionou de forma contrária ao acordo entre a Petrobras, a Lava Jato e o Departamento de Justiça dos EUA, que prevê a criação de uma fundação particular para gerir R$ 2,5 bilhões da empresa.

Dallagnol não disfarçou sua irritação em sua conta no Twitter. Na tarde desta sexta-feira (15), o procurador fez a seguinte postagem: “Segundo O Globo, ‘a avaliação da classe é a de que, ao atacar a iniciativa da força-tarefa de Curitiba, ela [PGR] atuou para agradar a classe política, traindo os propósitos que direcionam a instituição”, escreveu, junto a uma reportagem de O Globo, que diz: “Procuradores da equipe de Raquel Dodge pedem demissão após embate com Lava Jato”.


Protestos contra fundação

No entanto, Raquel Dodge não foi a única a atuar contra a fundação da Lava Jato. O Ministério Público solicitou ao Tribunal de Contas da União para verificar a legalidade do acordo para criação do fundo.

O deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) usou as redes sociais para criticar a fundação e o procurador da Lava Jato: “Dallagnol: o pecado do pregador é mais grave que o pecado do pecador! @deltanmd Mônica Bergamo: Dallagnol e procuradores vão ser investigados pela PGR por fundo bilionário”, postou o parlamentar.

Em outro tuíte, Teixeira elogiou a decisão do ministro do STF, Alexandre de Moraes: “Supremo Tribunal Federal acaba de impedir grave ataque à democracia no Brasil @deltanmd Alexandre de Moraes suspende acordo que previa fundação da Lava Jato e bloqueia dinheiro depositado em Curitiba”.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.

Redação
Redação
Direto da Redação da Revista Fórum.