Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
24 de Maio de 2019, 21h29

“Dallagnol é uma marionete do Departamento de Justiça dos EUA”, diz Lula

Em entrevista à revista alemã Der Spiegel, o ex-presidente abordou vários temas, entre eles, o atual ministro da Justiça: “Moro, ao impedir minha candidatura, garantiu que Bolsonaro fosse eleito presidente”

Lula (Foto: Reprodução Vídeo)

Após sete meses de tentativas na Justiça, o jornalista Jens Glünsig, da revista alemã Der Spiegel, conseguiu entrevistar o ex-presidente Lula, no dia 15 de maio. Trechos da reportagem foram disponibilizados pelo Instituto Lula. O ex-presidente não poupou seus algozes.

“As elites americanas e brasileiras são contra que 75% dos royalties fossem investidos na educação, para que o Brasil finalmente superasse um atraso de 200 anos. Com isso, a gente conseguiria financiar pesquisa, tecnologia e o sistema de saúde. Por isso derrubaram a Dilma. Por isso seguiram-se todas as manobras ilegais para impedir que eu fosse candidato. Eles sabiam que eu seria eleito mesmo que concorresse da prisão. O procurador Deltan Dallagnol, que me perseguiu, é uma marionete do Departamento de Justiça dos Estados Unidos”, afirmou o ex-presidente.

Ele declarou que sempre soube que era o alvo principal. “Desde que a Lava Jato começou, eu estava convencido de que, na verdade, ela só tinha um alvo: eu. Eu dizia: não é possível que meus opositores vão tirar a Dilma, que era minha sucessora e do PT, para depois deixar que eu fosse eleito presidente. Isso não fechava”, relembrou.

Lula destacou, ainda, que para o ex-juiz Sérgio Moro, escolhido como ministro da Justiça de Jair Bolsonaro, foi prometido um cargo no Superior Tribunal Federal (STF), como o próprio Bolsonaro disse publicamente. “Isso prova que foi um jogo arranjado. O Moro, ao impedir minha candidatura, garantiu que Bolsonaro fosse eleito presidente”.

Incapaz

Sobre o atual presidente, aliás, Lula reiterou o que já havia dito em outras entrevistas, ou seja, que ele é incapaz para o cargo. No entanto, não deseja que sofre o impeachment. Lula comparou Bolsonaro ao imperador Nero: “Quer deixar o país em chamas”. “Espero que Bolsonaro recupere a razão e mereça o respeito que um presidente deste país deve ter”.

O ex-presidente também abordou o apoio dos militares a Bolsonaro e que pretende, um dia, conversar com alguns comandantes para tentar compreender. “Os militares que apoiam Bolsonaro parecem ter esquecido todos os princípios nacionalistas”.

Em relação à crise econômica que atinge o país, Lula acrescentou: “Não tem mágica em política econômica. Você tem que ter credibilidade para ser respeitado. É por isso que tive o apoio de Gerhard Schröder, Angela Merkel, George W. Bush, Barack Obama, Jacques Chirac, Nicolas Sarkozy, Tony Blair e Gordon Brown”.

Vejam aqui a entrevista em alemão


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum