Damares Alves reafirma frase de 2019: “tem abuso que é prazeroso para a criança”

Ao dizer que frase foi tirada do contexto, a ministra reafirmou a frase. Veja aqui

A ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves, tentou explicar, em sua conta do Twitter desta quinta-feira (20), uma fala desastrosa sua de 2019 sobre criança sentir prazer no abuso e piorou a situação.

Damares disse textualmente, em entrevista à BBC, em dezembro de 2019: “tem abuso que é prazeroso para a criança, porque o pedófilo sabe como tocar, onde tocar”, diz. “Eu encontro adultos, especialmente mulheres, que se sentem culpadas por isso. Eu digo que não se sintam culpadas, eram crianças e não tinham controle sobre seus corpos.”

A frase da ministra dos Direitos Humanos nunca parou de circular nas redes e, após o episódio da menina que engravidou ao ser estuprada pelo tio, voltou com mais força.

A ministra Damares resolveu se justificar novamente e o que conseguiu foi corroborar o raciocínio que fez há um ano:

“É preciso colocar essa fala no contexto. Explicava sobre as dificuldades de identificar os casos de violência sexual contra crianças, pois estas nem sempre essas mandam sinais claros de sofrimento e, até mesmo, não percebem que aquela situação é abusiva contra elas.”

Salvo engano, a ministra quis dizer em sua explicação que as crianças “não mandam sinais claros de sofrimento” e “não percebem que aquela situação é abusiva contra elas” porque sentem prazer.

Logo, seu enunciado de agora é exatamente o mesmo da frase anterior.

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR