Fórumcast #20
16 de abril de 2019, 16h21

Damares se cala sobre flexibilização de armas e ameaça sofrida por deputada do PSL

Na Câmara, a ministra da Mulher alegou que suas impressões pessoais não resolveriam o problema da violência doméstica e disse amar Alê Silva, que denunciou laranjal

Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Em audiência na Câmara dos Deputados nesta terça-feira (16), a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, se recusou a dizer o que pensa sobre o quão a flexibilização da posse de armas de fogo pode aumentar os casos de feminicídio e de violência doméstica. Ela também não quis comentar as ameaças de morte sofridas pela deputada Alê Silva (PSL), que denunciou o “laranjal” do partido de Jair Bolsonaro.

Os assuntos foram levantados por Sâmia Bomfim (PSOL-SP) e Alice Portugal (PCdoB-BA), coautoras do requerimento que trouxe Damares à Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher.

A respeito das armas, a ministra afirmou que suas impressões pessoais sobre o decreto de Bolsonaro não resolveriam o problema da violência contra a mulher, mas emendou, dizendo que homens também matam “com dentes, com mãos, com pau”.

Quanto ao caso de Alê Silva, Damares referiu-se à vítima como “uma deputada que eu amo”, mas ponderou que gostaria de não falar sobre o assunto.

“Nesse momento, o que ela precisa, de todos nós, é ser protegida e acolhida”, limitou-se.

Durante sua intervenção, a deputada Sâmia defendeu a exoneração do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, apontado como responsável pelo esquema denunciado pela parlamentar do PSL.

Veja também:  Bolsonaro sobre comunistas e corruptos: "Vamos acabar com o cocô do Brasil"

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum