Datafolha: 50% vê risco de Bolsonaro dar um golpe

Ricos e empresários são os que veem menor risco de autogolpe por parte do presidente

Apesar de o recuo do presidente Jair Bolsonaro após o fracasso do golpismo do 7 de setembro, a possibilidade de um autogolpe ainda assusta. Números de pesquisa Datafolha revelados neste sábado (18) mostram que a metade da população vê algum risco de Bolsonaro dar um golpe.

Notícias relacionadas

Questionados pela pesquisa sobre quais as chances de um Bolsonaro dar um golpe, 50% apontaram algum risco. Para 30% há muita chance de um autogolpe, enquanto 20% enxergam um pouco de chance. 45%, por sua vez, não veem nenhuma possibilidade.

Os mais temerosos com essa possibilidade são apoiadores do PT (48% de muita chance), homossexuais/bissexuais (48% de muita chance) e desempregados (42% de muita chance). Os mais convictos sobre a não consumação são empresários (78% de nenhuma chance), quem recebe mais de 10 salários mínimos (71% de nenhuma chance), eleitores do PSDB (60% de nenhuma chance) e evangélicos (54% de nenhuma chance).

Dessa maneira, a carta de recuo articulada pelo ex-presidente Michel Temer parece ter convencido os mais ricos.

Enquanto há o temor de golpe em parcela expressiva da população, a avaliação do governo sofreu baixa e desconfiança em Bolsonaro bateu recorde. Além disso, 76% apoiam impeachment caso Bolsonaro desrespeite a Justiça, conforme enunciou nos atos golpistas.

O Datafolha realizou a pesquisa entre os dias 13 e 16 de setembro com 3.667 pessoas em 190 municípios. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e pela América Latina, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum Global

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR