Datafolha: para 70%, há corrupção no governo Bolsonaro

Percepção se dá em função das denúncias de compras superfaturadas de vacinas que têm sido divulgadas pela CPI da Covid

De acordo com pesquisa Datafolha publicada neste domingo (11), 70% dos adultos entrevistados acreditam que há corrupção no governo do presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido).

Percepção se dá em função das denúncias de compras superfaturadas de vacinas que têm sido divulgadas pela CPI da Covid.

  • 70% dizem que há corrupção no governo
  • 23% dizem que não há corrupção
  • 7% não sabem

Com relação ao ministério da Saúde, 63% acham que há corrupção na pasta e, o que é pior, 64% acham que o presidente sabia. Outros 25% acreditam que não, e 12% disseram que não sabem. Outros 25% acreditam que Bolsonaro não sabia e 11% dos entrevistados não opinaram.

Ainda segundo o levantamento, os entrevistados que mais acreditam que há corrupção na gestão do presidente Jair Bolsonaro são: mulheres (74%), jovens (78%), moradores do Nordeste (78%) e pessoas que reprovam o governo (92%).

Entre os empresários ouvidos, 50% acreditam que há malfeitos no governo e 48% discordam.

Com relação ao grupo que acredita que não há corrupção no governo Bolsonaro, 29% têm mais de 60 anos, 31% são moradores das regiões Norte ou Centro-Oeste e 28% são homens.

 Os dados foram colhidos pelo instituto ao entrevistar 2.074 pessoas com mais de 16 anos, nos dias 7 e 8 de julho. A margem de erro é de dois pontos para mais ou menos.

Com informações da Folha

Publicidade
Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR