quarta-feira, 30 set 2020
Publicidade

Delator recebeu senha da Veja para incluir ‘advogado de Lula’, diz Zanin sobre ação da Lava Jato

Advogado do ex-presidente Lula foi alvo de operação sobre supostos desvios no Sistema S. "É o lawfare que falamos desde 2016", afirma

Em entrevista ao Fórum Onze e Meia nesta terça-feira (15), o advogado do ex-presidente Lula, Cristiano Zanin, comentou sobre o que chama de “metodologia da Lava Jato” através da imprensa para perseguir adversários políticos. Zanin foi alvo de uma operação da Polícia Federal no dia 9 de setembro, assim como outros advogados, por supostos desvios no Sistema S.

De acordo com ele, a estratégia da força-tarefa consiste em utilizar a imprensa para sinalizar delatores sobre pessoas que os procuradores desejam atingir. Zanin cita como exemplo uma reportagem da revista Veja sobre ele, publicada em janeiro de 2019, intitulada “Delação de Orlando Diniz não traz detalhes sobre advogado de Lula”.

“Usaram um delator que recebeu uma ‘senha’ da Veja, em 20 de janeiro de 2019, que a delação só seria aceita se ele falasse algo sobre o advogado do Lula”, afirma.

“É a mesma metodologia. As delações de Palocci e Delcídio também foram forjadas, isso foi reconhecido até pela Justiça. A metodologia continua a mesma, a Lava Jato faz uma espécie de licitação, coloca na imprensa uma senha com relação à pessoa que ela quer atingir, e o delator precisa aderir a essa senha e tem a sua vida resolvida”, completa.

Sobre a recente operação da PF, que realizou diversos mandados de busca e apreensão em escritórios de advocacia a pedido do juiz federal Marcelo Bretas, responsável pela Lava Jato no Rio de Janeiro, Zanin diz que investida é “lawfare” e “ataque ao estado de direito”.

“Vejo um grande ataque ao estado de direito. Na medida que se invade escritórios de advocacia em base de uma delação claramente forjada, se fizeram isso contra escritórios, a Lava Jato realmente não tem limites, passou a ser um verdadeiro partido político dentro do sistema de justiça, que usa o direito de forma estratégica para perseguir inimigos. É o lawfare que falamos desde 2016”, afirma.

Zanin também comentou sobre a nova investida da Lava Jato contra o ex-presidente, que foi alvo de uma denúncia nesta segunda-feira (14) sobre uma suposta lavagem de dinheiro através do Instituto Lula. “São doações documentadas e contabilizadas, mas dizem que foram dissimuladas. Essa acusação é uma repetição de temas já tratados, fala em organização criminosa, acusação que Lula já foi absolvido em Brasília”, diz o advogado.

Confira a entrevista completa:

Luisa Fragão
Luisa Fragão
Jornalista.