Demori explica diferenças entre arquivos da Vaza Jato e os que estão com defesa de Lula

Tanto as conversas reveladas pela Vaza Jato quanto as que estão sob a posse da defesa de Lula representam uma parcela mínima do total de arquivos obtidos pela operação Spoofing que demonstrariam a parcialidade da Lava Jato e de Moro na condenação do ex-presidente

O jornalista Leandro Demori, editor executivo do The Intercept Brasil, explicou nesta segunda-feira (1) que os arquivos de conversas entre procuradores da Lava Jato e o ex-juiz Sérgio Moro obtidos pela Operação Spoofing são bem maiores do que aqueles que foram revelados pela série Vaza Jato e dos que a defesa do ex-presidente Lula tem em mãos até agora.

Os diálogos que reforçariam a parcialidade de Moro e de procuradores como Deltan Dallagnol no processo que levou Lula à cadeia foram liberados pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, à defesa do petista, e tiveram seu sigilo levantado nesta segunda-feira (1).

Demori, que coordenou o trabalho de divulgação dos diálogos à época da série jornalística Vaza Jato, esclarece, contudo, que há ainda inúmeros arquivos que não vieram à tona.

Leia Também: “Estamos diante de um verdadeiro escândalo”, diz jurista sobre diálogos de Moro e Dallagnol obtidos por Lula

“Tamanho do arquivo da Vaza Jato: 43,8GB. Tamanho do arquivo da operação Spoofing: 7TB. O que isso significa? Que o Intercept tem um acervo que corresponde a 0,56% do arquivo total apreendido pela Spoofing. O que a defesa do ex-presidente Lula tem em em mãos até o momento: 740GB. Isso corresponde a cerca de 10% do total da Spoofing”, escreveu o jornalista em sua conta do Twitter.

“Resumo do tamanho dos acervos: Spoofing: 7TB. Defesa de Lula (até agora): 740GB. Vaza Jato: 43,8GB”, detalhou.

Entre os arquivos que vieram à tona até agora, descobriu-se, por exemplo, que Moro e Dallagnol tramaram vazamento de áudio interceptado para barrar nomeação de Lula no governo Dilma em 2016.

Leia também: Moro volta a falar em “supostas mensagens” ao comentar sobre dados da Operação Spoofing

Publicidade

“As mensagens da Spoofing, custodiadas pelo Estado brasileiro, são muito bem-vindas. Elas corroboram – com perícia – um ano e meio do trabalho dos nossos jornalistas sobre a escancarada parcialidade de Sérgio Moro e as evidentes ilegalidades dos procuradores da Lava Jato”, escreveu Demori.

Confira, abaixo, a íntegra da explicação do jornalista sobre as diferenças entre os tamanhos dos arquivos.

Publicidade

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_