O que o brasileiro pensa?
30 de maio de 2020, 06h55

Depois de Zambelli e Heleno, PF quer ouvir Bolsonaro no inquérito sobre interferência na corporação

Inquérito tem como base as denúncias de Sérgio Moro de que Bolsonaro interferia politicamente na Polícia Federal, o que é passível de impeachment ou cassação

Foto: Marcos Correa/PR

Depois do ex-ministro Sérgio Moro, da deputada Carla Zambelli, do ministro chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno e de outras pessoas ligadas ao governo, a Polícia Federal informou, através de despacho da delegada Christiane Correa Machado, que pretende tomar depoimento de Jair Bolsonaro no inquérito do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a suposta interferência do presidente na corporação.

O procurador-geral da República, Augusto Aras, terá que se manifestar sobre o pedido. Na sexta-feira (29), depois de afirmar que daria uma terceira vaga no STF a Aras, Bolsonaro condecorou o PGR com uma ordem militar – e no dia anterior Aras pediu para o STF interromper o inquérito das fake news, que atinge bolsonaristas e pessoas próximas do presidente, incluindo seus filhos.

O inquérito em que a PF pretende ouvir Bolsonaro é o que tem como base as denúncias do ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, de que o capitão da reserva interferia politicamente na Polícia Federal. O vídeo da fatídica reunião ministerial de 22 de abril, em que Bolsonaro aparece esbravejando contra o fato de “não conseguir” trocar a “segurança” de sua família no Rio de Janeiro, é uma das provas apresentadas por Moro e que vem sendo analisada pelos investigadores.

Leia também: Tudo o que Bolsonaro e seus ministros disseram na fatídica reunião de 22 de abril

Bolsonaro justifica que estava se referindo à segurança pessoal de sua família e, por isso, a Polícia Federal tomou depoimento do chefe do GSI, Augusto Heleno, que seria o responsável pela segurança direta do presidente. Já Moro diz que o presidente se referia à superintendência da PF do Rio de Janeiro, e teria o intuito de controlar a polícia no estado para proteger seus filhos.

No mesmo inquérito, a PF já tomou o depoimento também de Maurício Valeixo, ex-diretor geral da corporação cuja demissão foi o pivô para a saída de Moro do governo. De acordo com o ex-ministro da Justiça e com o próprio Valeixo, Bolsonaro queria uma pessoa “de confiança” no comando da operação.

Antes da PF se manifestar em favor do depoimento de Bolsonaro para compor a investigação, Celso de Mello, ministro relator do caso no STF, já havia pedido pareceres à PGR sobre depoimento de Bolsonaro e a apreensão de celulares do presidente e do filho, Carlos Bolsonaro, o que gerou a ira do general Augusto Heleno, que divulgou uma nota com uma clara ameaça às instituições.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum