Fórumcast, o podcast da Fórum
29 de abril de 2019, 22h46

Deputada bolsonarista quer retirar de Paulo Freire o título de patrono da educação brasileira

Premiado internacionalmente e considerado um dos maiores educadores do mundo, Paulo Freire se tornou patrono da educação brasileira através de uma lei de 2012; Caroline De Toni (PSL-SC) protocolou Projeto de Lei para revogar o título: "Não podemos aceitar que nossa educação seja pautada por um ideólogo marxista"

Reprodução

A deputada federal Caroline De Toni (PSL-SC) protocolou na Câmara dos Deputados, nesta segunda-feira (29), um projeto de lei que visa retirar de Paulo Freire o título de patrono da educação brasileira.

“Nossa Constituição prevê o pluralismo de ideias e Paulo Freire não nos representa”, disse, aproveitando ainda para parabenizar Olavo de Carvalho, considerado o “guru” educacional do governo Bolsonaro, pelo seu aniversário. Pelo Twitter, a parlamentar ainda fez uma postagem em que afirma que “não podemos aceitar que a nossa educação seja pautada por um ideólogo marxista”.

Paulo Freire passou a ser reconhecido como patrono da educação brasileira através da Lei nº 12.612, de abril de 2012.

Odiado por seguidores de Olavo de Carvalho e por bolsonaristas, Freire já foi premiado internacionalmente e é reconhecido como um dos maiores educadores do mundo. Sua principal obra, “Pedagogia do Oprimido”, propõe um novo modelo de ensino, com uma dinâmica menos vertical entre professores e alunos e a sociedade na qual se inserem. O livro foi traduzido em mais de 40 idiomas.

Leia também
Eduardo Bolsonaro pergunta qual o legado de Paulo Freire e vira piada nas redes

“Paulo Freire é a figura de maior destaque na educação brasileira contemporânea, pelo olhar novo que ele constrói sobre o processo educativo. Ele tem ajudado muitos países no mundo a repensar a visão vertical que temos nas salas de aula, de um professor que sabe tudo e do estudante que é uma tábula rasa e nada sabe”, disse, à época da promulgação da lei que tornou Freire o patrono da educação brasileira, a então diretora de currículos e educação integral do Ministério da Educação, Jaqueline Moll.

Em 2017, proposta parecida com a da deputada bolsonarista chegou ao Senado através de uma ação popular, mas foi prontamente rejeitada pela Comissão de Direitos Humanos da Casa.

 


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum