Deputado bolsonarista diz que Rio Grande do Sul merece governador “macho” ou “uma mulher das lindas”

O PSDB, partido do governador Eduardo Leite, fez nota de repúdio acusando Marcelo de Brum (PSL-RS) de homofobia e machismo; assista ao vídeo

O deputado federal bolsonarista Marcelo de Brum (PSL-RS) fez diversos ataques homofóbicos ao governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), ao defender que o estado deveria eleger, nas próximas eleições, um chefe de estado “macho”. O parlamentar também fez comentário machista ao sugerir uma governadora gaúcha “das lindas”.

“É uma vergonha. Eduardo ‘vergonha’ Leite. É uma vergonha com ‘V’ maiúsculo. Gauchada, vamos agora na próxima [eleição] colocar um governador digno, um cara decente, um pai de família, um macho gaúcho. Ou uma mulher gaúcha, uma mulher guerreira gaúcha. Nós queremos um macho gaúcho ou uma mulher das lindas gaúchas. Vamos botar um macho, essa coisa de meia boca não serve”, disse Marcelo em transmissão ao vivo realizada na última quinta-feira (16).

Em resposta, o próprio presidente estadual do PSL no RS, o deputado federal Nereu Crispim, assim como a executiva nacional do partido no estado, assinaram uma nota de repúdio contra os comentários de Marcelo. O texto classifica os ataques como “pejorativos” e “sexistas” e presta apoio a Eduardo Leite.

“Lamentamos profundamente e manifestamos veemente nosso repúdio às falas homofóbicas e machistas do deputado federal Marcelo Brum”, diz o início da nota. “Temos o compromisso e respeito com o Rio Grande do Sul e o povo gaúcho”, completa.

O PSDB de Porto Alegre também se posicionou contra as falas do parlamentar. “Repudiamos qualquer agressão sexista direcionada a quem quer que seja. Não podemos aceitar que o preconceito, o machismo e a homofobia tenham voz em nossa sociedade”, afirma.

Assista ao trecho da live em que Marcelo de Brum faz os comentários preconceituosos:

Avatar de Luisa Fragão

Luisa Fragão

Jornalista.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR