Deputado que quebrou placa de Marielle é escorraçado de evento aos gritos de “assassino”

Rodrigo Amorim foi chamado de assassino e miliciano por moradores do bairro de Santa Teresa, no Rio de Janeiro, durante lançamento do programa Bairro Seguro; veja vídeo

O deputado estadual bolsonarista Rodrigo Amorim (PSL-RJ), conhecido por quebrar a placa da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) em 2018, foi vaiado e chamado de assassino e miliciano por moradores do bairro de Santa Teresa, no Rio de Janeiro,

O caso aconteceu na manhã deste sábado (16), durante lançamento do programa Bairro Seguro. O deputado ainda tentou argumentar e discutir, mas não teve jeito.

Rodrigo Amorim é alvo de uma ação que tramita na Justiça, suspeito de ter sido funcionário fantasma da Prefeitura de Mesquita, na Baixada Fluminense.

Bairro Seguro

Santa Teresa, conhecido bairro boêmio do Rio de Janeiro, foi o 30º a receber este sábado o programa, que conta com um esquema especial de patrulhamento. O governador Cláudio Castro participou da cerimônia de inauguração.

Com o programa, serão destinadas ao patrulhamento no bairro, durante 24 horas, cinco viaturas. A área compreendida pelo efetivo tem cerca de cinco quilômetros quadrados e possuirá um esquema diferenciado de monitoramento, devido às suas condições geográficas, topográficas e socioeconômicas.  

De acordo com a Secretaria de Estado de Polícia Militar, a tropa destinada ao bairro vai atender a cerca de 50 mil moradores, além dos milhares de turistas que, atraídos pela arquitetura local, bares, restaurante, museus e demais espaços culturais e artísticos, passam pela localidade diariamente.

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR