Blog do George Marques

direto do Congresso Nacional

09 de julho de 2019, 12h34

Deputados apontam ilegalidade e pedem que Bolsonaro revogue licença dada a Sérgio Moro

Parlamentares apontam o artigo 91, da lei 8.112, prevendo que licença para tratar de motivos particulares é direito apenas de servidores efetivos

Sérgio Moro (Foto: Lula Marques)

Os deputados federais do PSB, Camilo Capiberibe e Gervásio Maia, protocolaram na manhã desta terça-feira (9) requerimento para que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) revogue a licença dada ao ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro. De acordo com publicação no Diário Oficial da União, o ministro se afastará do cargo, em licença não remunerada, entre 15 e 19 de julho

O afastamento foi autorizado pelo presidente Jair Bolsonaro. “Esclarece-se que o afastamento, sem vencimentos, acontece nos termos do artigo 81, VI, da Lei 8112/90. O ministro estará de férias, e o secretário executivo Luiz Pontel responderá interinamente pelo ministério no período”, informou o ministério.

No entanto, os congressistas apontam que o artigo 91 da 8.112 prevê que a licença para motivos particulares é direito apenas de servidores efetivos.

Diz o artigo da lei: “A critério da administração, poderão ser concedidas ao servidor ocupante de cargo efetivo, desde que não esteja em estágio probatório, licenças para tratar de assuntos particulares pelo prazo de até três anos consecutivos, sem remuneração”.

“O atual ministro Sérgio Moro, como é de conhecimento público, antes de exercer a função era juiz federal, tendo pedido exoneração do cargo para exercer a função de confiança de Ministro de Estado do governo de Jair Bolsonaro. Portanto Sérgio Moro não possui mais vínculo efetivo com a União, o que inexoravelmente nos leva a conclusão que a licença deferida, por cinco dias, é irregular, devendo ser revogada, de imediato, por falta de amparo legal”, diz trecho da ação a qual o blog teve acesso.

Moro enfrenta críticas desde o início de junho, quando o site The Intercept Brasil publicou série de mensagens atribuídas a ele e ao procurador Deltan Dallagnol que indicam interferência do então juiz nna atuação do Ministério Público, o que é ilegal.

O requerimento foi protocolado nesta terça na Câmara e aguarda direcionamento ao presidente Jair Bolsonaro para deliberação.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum