Deputados do PTB querem afastamento de Roberto Jefferson por ataques ao STF

Parlamentares, que ingressaram com ação no TJ-DF, alegaram que o presidente da sigla usou indevidamente o fundo partidário, além de ofender a Corte

Deputados do PTB não suportam mais as atitudes desequilibradas do seu presidente, Roberto Jefferson. Cinco parlamentares da bancada do partido protocolaram, no Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJ-DF), um pedido de afastamento de Jefferson e de toda direção nacional.

As alegações são uso “indevido” do fundo partidário e “ofensas” ao Supremo Tribunal Federal (STF). Conforme o comunicado, Jefferson transformou o partido em seu “feudo pessoal” e utilizou dos canais de comunicação do PTB como “instrumento de agressão, de propagação de discurso de ódio e de ruptura ao Estado Democrático de Direito”. As informações são do Globo.

O pedido de afastamento foi assinado pelos deputados federais Nivaldo Albuquerque (PTB-AL), Pedro Geromel (PTB-CE), Wilson Santiago (PTB-PB), Emanuel Pinheiro (PTB-MT) e José Costa (PTB-PA), além do estadual Antônio Albuquerque (PTB-AL).

No documento, os parlamentares solicitaram ao juiz que acate o pedido de forma urgente devido ao “indubitável perigo de dano que agravaria ainda mais os prejuízos irreparáveis já sofridos pelo partido”. 

Na prisão

Jefferson está preso desde agosto, por ordem do ministro Alexandre de Moraes, do STF. O magistrado é o relator do inquérito que apura a participação do presidente do PTB nos atos antidemocráticos. 

O ex-deputado ingressou com pedido de habeas corpus (HC), porém, foi rejeitado pelo plenário da Corte. Quem está na presidência do PTB, interinamente, é Graciela Nienov, que, conforme aponta a ação, “segue a mesma linha” de Jefferson, “com conteúdo ameaçador ao STF”.

Avatar de Lucas Vasques

Lucas Vasques

Jornalista e redator da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR