Desaprovação de Bolsonaro aumenta e Lula cresce, diz pesquisa

Enquanto Bolsonaro instiga golpismo no 7 de setembro, o ex-presidente fará pronunciamento nesta segunda

Além de monitorar a adesão aos atos golpistas do 7 de setembro, o instituto Atlas Político também mediu a aprovação do presidente Jair Bolsonaro e traçou um panorama sobre o cenário eleitoral de 2022. A pesquisa traz os melhores índices para o ex-presidente Lula (PT) já registrados pelo instituto. Petista faz pronunciamento às 19h sobre o os atos golpistas do 7 de setembro.

Notícias relacionadas

Desaprovação de Bolsonaro

Segundo o levantamento divulgado nesta segunda-feira (6), a desaprovação do presidente Jair Bolsonaro voltou a oscilar para cima. Foi de 62% em julho, para 64%. Em maio, o índice estava em 57%.

A aprovação, por sua vez, chegou ao menor patamar desde o primeiro levantamento, feito em abril de 2020: 32%. Além desses, 4% não souberam responder.

A avaliação também bateu recorde negativo. Pela primeira vez, aqueles que avaliam o governo como Ruim ou Péssimo são mais que 60%: 61%. Por outro lado, os que avaliam como Ótimo ou Bom são 24%. Outros 14% avaliam a gestão de Bolsonaro como Regular.

Eleições

Esse desempenho parece refletir no cenário eleitoral. A vantagem do ex-presidente Lula (PT) para Bolsonaro se ampliou tanto em primeiro quanto em segundo turno, segundo a pesquisa.

Em um cenário de primeiro turno com cinco candidatos (Lula, Bolsonaro, Ciro Gomes, João Doria e Eduardo Leite), o petista registra 40,6% contra 34,5% do atual presidente. O ex-presidente chega a 42,6% quando são quatro postulantes; Bolsonaro fica com 35,4%. O terceiro colocado nos cenários é Ciro Gomes (PDT), que varia entre 8,8% e 10,2%.

A pesquisa revela ainda que, em um eventual segundo turno, Lula ganharia de Bolsonaro com 52,5% dos votos, contra 35,9% do atual presidente – uma vantagem de 16,6 pontos. 11,6% não souberam responder.

Lula melhora imagem

Segundo os dados da pesquisa Atlas, Lula vem em uma crescente desde janeiro, em uma situação oposta a de Bolsonaro. Essa foi a primeira vez que o instituto mostra o ex-presidente com mais de 40% dos votos em primeiro turno.

Publicidade

Além disso, o instituto mostra uma expressiva melhora na imagem do ex-mandatário. De julho para setembro, a imagem positiva subiu de 43% para 46% e a negativa despencou de 54% para 48%. Entre maio e dezembro de 2020, a imagem negativa de Lula passava dos 60%. Desde janeiro, os índices ficam cada vez mais favoráveis ao petista.

A imagem do ex-presidente é a melhor desde que o instituto começou esta medição, em maio de 2019.

Publicidade

Foram ouvidas 3.146 pessoas pelo instituto. A margem de erro é de 2 pontos percentuais e a confiança é de 95%.

Pronunciamento de Lula

Em meio às tensões provocadas por Bolsonaro com os atos golpista do 7 de setembro, Lula irá fazer um pronunciamento nesta segunda-feira (6). O discurso está previsto para as 19h. Assista aqui, na TV Fórum.

Atos golpistas

Bolsonaro está apostando o seu governo nas manifestações do dia 7 de Setembro. Assim como já havia feito em transmissões ao vivo e manifestações de rua, ele resolveu usar as suas próprias redes sociais na manhã desta segunda-feira (6), para convocar a população para os atos.

O presidente tenta colocar o país em xeque, minando a credibilidade de outras instituições enquanto seu governo derrete com uma incompetência total no governo, a desastrosa gestão na pandemia, a crise econômica e escândalos de corrupção envolvendo aliados e familiares.

Confira aqui a pesquisa na íntegra

Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e pela América Latina, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum Global

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR