Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
07 de agosto de 2019, 19h42

Desembargadora que divulgou fake news contra Marielle vira ré por calúnia no RJ

"O recebimento da queixa crime é uma forma de reparação, de fazer justiça à memória de Marielle", disse a advogada da família da vereadora do PSOL, Evelyn Melo Silva

Marielle Franco, vereadora assassinada em março de 2018 - Foto: Divulgação

Por unanimidade, a Corte Especial do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) aceitou, nesta quarta-feira (7), queixa-crime contra a desembargadora Marília Castro Neves apresentada pela família da vereadora Marielle Franco, assassinada em 14 de março do ano passado. Neves agora é ré por ter acusado Marielle de estar “engajada com bandidos” e ter sido “eleita pelo Comando Vermelho”.

A relatora, ministra Laurita Vaz, deu prosseguimento à denúncia por entender que a mensagem da desembargadora se enquadra em calúnia por dar a entender que Marielle fazia parte de organização criminosa. “A primeira insinuação da mensagem da querelada [Marília], a meu sentir, encontra a adequação típica no artigo 2º da Lei 12.850 de 2013, que é: ‘promover, constituir, financiar ou integrar, pessoalmente ou por interposta pessoa, organização criminosa'”, disse ao acatar parte da queixa-crime.

Outro trecho, que dizia que Marielle “sabe como são cobradas as dívidas pelos grupos entre os quais ela transacionava”, foi rejeitado por ser “genérico”.

A advogada da família de Marielle, Evelyn Melo Silva, afirmou que a decisão é uma vitória, apesar de ainda não constituir condenação. “O recebimento da queixa crime é uma forma de reparação, de fazer justiça à memória de Marielle”, disse.

O Ministério Público, na figura do vice-procurador-geral da República, Luciano Mariz Maia, defendeu o prosseguimento do caso e recordou que Marília já foi ré em outro caso de calúnia, contra o ex-deputado federal Jean Wyllys. “Marília de Castro Neves Vieira, desembargadora, é conhecida desta Corte Especial. Não por ter sido convocada a auxiliar para fazer justiça, mas por ser ré em processo de calúnia, como já foi no caso de Jean Wyllys. E agora novamente frequenta esta Corte Especial para sentar-se no banco de réus. E por quê? Porque sequer uma pessoa morta foi poupada da sua língua, que mata mais do que uma metralhadora”, disse.

Ele ainda condenou a postura racista da desembargadora. “Ela faz isso com uma desenvoltura e agressividade que expressa todo o seu preconceito, o seu racismo quando menciona sua origem pobre, de mulher que veio da favela”, ressaltou.

“Marielle vive nos que a amam, a respeitam, nos que reconhecem a seriedade de sua luta. É sempre possível dizer ‘Marielle presente!'”, finalizou o vice PGR.

O advogado de Marília reconhece que a fala foi ofensiva, mas que não deve ser considerada calúnia. “Ninguém tem dúvida de que é ofensivo. É extremamente ofensivo, mal colocado, num momento em que a família estava de luto. A desembargadora teve a hombridade de pedir desculpas públicas. Dizer que com isso integrou uma organização criminosa é demais”, disse Leonardo Monteiro Villarinho.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum