Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
15 de dezembro de 2019, 16h49

Dilma cobra Villas Bôas por declaração de que ela tentaria cogitado golpe

Em entrevista concedida ao O Globo, o ex-comandante do Exército afirmou que parlamentares de esquerda o procuram para saber como seria recebido decreto de "Estado de Defesa"

Fotos: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A ex-presidenta Dilma Rousseff publicou uma nota na tarde deste domingo (15) questionando o general Eduardo Villas Bôas, ex-comandante do Exército e atual assessor do Gabinete de Segurança Institucional do governo Bolsonaro, por declarações dadas ao Jornal O Globo. O general afirmou que “dois parlamentares de partidos de esquerda” sondaram o Exército sobre como seria recebida uma decretação de “Estado de Defesa” por parte da ex-presidenta.

“A intervenção militar contra a democracia é um golpe. A minha vida é prova do meu repúdio político e repulsa pessoal a essa etapa da história do País. Jamais pensei, avaliei, considerei, fui sondada para qualquer possibilidade ou alternativa, mesmo que remota, a esse tipo intervenção antidemocrática”, afirmou a ex-mandatária.

Dilma ainda cobrou que fossem apresentados os nomes dos dois parlamentares citados pelo general. “Se isso ocorreu é imprescindível o nome dos deputados pois que eles devem esclarecimentos ao País. Caso contrário, a responsabilidade cabe ao general e à sua assessoria parlamentar”, afirmou.

“Explique por que, se ficou preocupado, não informou as autoridades superiores, Ministro da Defesa e Presidente da República — Comandante Supremo das Forças Armadas — sobre o fato de dois integrantes do Legislativo sondarem a assessoria parlamentar do Exército sobre um ato contra a democracia, uma vez que contrário ao direito de livre manifestação? Por que não buscou esclarecer se a iniciativa dos deputados contava com respaldo da Comandante das Forças Armadas? Não respeitou a hierarquia?”, questionou ainda.

Considerado como um golpe por Dilma, o Estado de Defesa está previsto no artigo 136 da Constituição para casos de “grave e iminente instabilidade institucional” e “calamidades de grandes proporções na natureza”. Ele restringe liberdades como direitos de reunião, ainda que exercida no seio das associações; sigilo de correspondência; e sigilo de comunicação telegráfica e telefônica.

Villas Bôas

Em entrevista ao jornalista Thomas Truamann, d’O Globo, Villas Bôas disse o seguinte: “Ao longo do processo de impeachment, dois parlamentares de partidos de esquerda procuraram a assessoria parlamentar do Exército para sondar como receberíamos a decretação de um “Estado de Defesa” (possibilidade constitucional na qual o presidente decreta por 30 dias situação emergencial restringindo direito de reunião e de comunicação). Confesso que fiquei preocupado, porque vi ali uma possibilidade de o Exército ser empregado contra as manifestações. Contudo, corre uma versão de que a presidente Dilma teria me chamado e determinado a decretação do “Estado de Defesa”, e eu teria dito que não cumpriria. Isso não aconteceu. Mas que houve a sondagem, ela de fato houve”.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum