Direção da TV Escola acusa Weintraub de usar dados falsos para justificar fechamento da emissora

"O MEC misturou números para confundir o povo brasileiro", acusa a Associação Roquette Pinto

A decisão de fechar a TV Escola e de suspender o contrato com a Associação Roquette Pinto (Acerp), responsável pelo conteúdo do canal, levantou suspeitas e críticas até mesmo entre apoiadores do presidente Jair Bolsonaro. Apesar de ser alinhada à política educacional do governo, a Acerp questionou, em nota divulgada no sábado (14), os dados utilizados pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub, para justificar o fechamento da emissora.

“O MEC misturou números para confundir o povo brasileiro”, acusa a Roquette Pinto. “A proposta de um novo contrato com a ACERP previa um investimento ao redor de R$ 70 milhões por ano na TV Escola, muito próximo do valor previsto para 2019, quantia essa que compromete apenas 0,06% do orçamento do MEC previsto para este ano, segundo o Portal da Transparência”, continua.

“Os conselheiros do Ministério, em uma reunião no mês de novembro, votaram a favor da renovação com esse mesmo valor”, acrescenta a associação, que ainda afirmou: “Importante destacar que o MEC, com orçamento de R$ 148 bilhões, lança, no início de dezembro, o programa de Literacia Familiar, uma das principais e únicas entregas da equipe ministerial atual. A produção dos vídeos foi feita pela TV ESCOLA, sem custo extra ao ministério, o que é mais uma vantagem do modelo de Organização Social”. O ministro, no entanto, alegou nas redes sociais que o valor de R$ 70 milhões por ano só seria obtido se o contrato com a Roquette Pinto fosse reduzido pela metade.

O fim da parceria com a associação acontece pouco mais de uma semana depois que o canal, cuja frequência é de propriedade do MEC, começou a transmitir programas do Brasil Paralelo, produtora que tem como diretriz as ideias do guru Olavo de Carvalho.

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR