Fórumcast #19
04 de outubro de 2018, 10h34

Direito de resposta de Suplicy com sua atuação no Senado ocupa quase todo o programa de Tripoli

Tripoli afirmou que Suplicy não fez nada enquanto Senador. Viu seu último programa ser todo tomado pelas realizações do adversário

O Direito de Resposta de Suplicy. Foto: Reprodução

O candidato tucano ao Senado, Ricardo Tripoli, viu o seu tempo de TV no último programa eleitoral, que foi ao ar nesta quarta-feira (4), ser reduzido a poucos segundos. O fato se deu por conta de um direito de resposta concedido pela Justiça Eleitoral a Eduardo Suplicy (PT), acusado pelo seu adversário de não ter feito nada enquanto foi Senador.

De acordo com a resposta, “Suplicy foi vítima de ofensas e difamações feitas pelo candidato Ricardo Trípoli sobre a atuação dele como senador e seu compromisso maior com o estado de São Paulo”.

O tiro no pé fez com que Suplicy abarrotasse o programa do adversário com a sua atuação nos 24 anos em que foi senador, que é respeitada inclusive por seus adversários. De acordo com a resposta, “Suplicy fiscalizou com rigor o Executivo, denunciando irregularidades e exigindo apuração. Batalhou por uma distribuição mais justa de recursos, e conseguiu R$ 40 bilhões para investimentos no estado, e R$ 50 bi para a cidade de São Paulo”.

A resposta diz ainda que “Suplicy esteve presente em 98% das sessões, fez 3 mil pronunciamentos, apresentou 806 proposições e participou de 16 CPIs”.

Veja também:  São Paulo leva 100 mil para rua contra Future-se e cortes na Educação

Ao final, em seu direito de resposta, o candidato petista afirma que “quer ser senador para fazer muito mais”.

Além de ir ao ar no último programa de TV dos candidatos ao Senado, a resposta também foi publicada nos perfis oficiais de Tripoli no Twitter e no Facebook, conforme pode ser visto abaixo.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum