Inquéritos com base na LSN explodiram durante gestão de Mendonça na Justiça

Somente entre 2020 e 2021, período em que André Mendonça, indicado por Bolsonaro ao STF, comandou o Ministério da Justiça, foram abertos 58 inquéritos com base na Lei de Segurança Nacional

Prisões de ativistas que se manifestam contra o governo Bolsonaro têm se tornado cada vez mais comuns. Muitas dessas detenções têm como base a Lei de Segurança Nacional (LSN)mecanismo criado na ditadura militar para punir opositores ao regime.

Apesar de a Câmara dos Deputados ter aprovado, em maio, o texto-base de um projeto que extingue a LSN e cria a Lei de Defesa do Estado Democrático, a matéria ainda precisa ser apreciada pelo Senado. A herança da ditadura militar, portanto, segue em voga e sendo usada contra críticos de Bolsonaro.

Foi essa a lei utilizada, por exemplo, no inquérito policial aberto contra o influenciador Felipe Neto pelo fato de ele ter chamado Bolsonaro de “genocida”. O mesmo mecanismo serviu de base para a detenção do ativista Rodrigo Pilha, que estendeu uma faixa de protesto contra o presidente, e também para a prisão, em março, de um jovem de Uberlândia que fez uma postagem crítica, em tom de piada, contra o titular do Palácio do Planalto.

André Mendonça e a explosão de inquéritos

Dados obtidos via Lei de Acesso à Informação (LAI) pelo deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP) e repassados à Fórum revelam que o número de inquéritos policiais abertos com base na Lei de Segurança Nacional explodiram durante a gestão de André Mendonça no Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP).

Mendonça teve, recentemente, seu nome confirmado pelo presidente Jair Bolsonaro como indicado para a vaga deixada por Marco Aurélio Mello, que se aposentou, no Supremo Tribunal Federal (STF).

Entre 2020 e 2021, período em que Mendonça comandou o MJSP – em março deste ano ele foi nomeado advogado-geral da União -, foram abertos 58 inquéritos policiais com base na LSN. Somando o ano de 2019, quando Sérgio Moro era o titular da pasta, o total de inquéritos com base na lei oriunda da ditadura salta para 84.

Para se ter uma ideia, entre 01/01/2000 e 08/04/2021, foram registradas a abertura de 187 inquéritos com base na LSN. Ou seja, o número de procedimentos abertos somente durante o governo Bolsonaro representa 42,9% do total – sendo 29,9% ao longo da gestão de Mendonça na Justiça.

Na resposta à solicitação de Ivan Valente sobre o total de inquéritos abertos com base na LSN, o Ministério da Justiça se recusou a fornecer informações sobre quem foram os autores dos pedidos de investigação, seus alvos e quais foram os desfechos.

Lei de Defesa do Estado Democrático

A Câmara dos Deputados aprovou, em maio, o texto-base da Lei de Defesa do Estado Democrático, projeto que revoga a Lei de Segurança Nacional (LSN).

A proposta tipifica no Código Penal, por exemplo, crimes contra as instituições democráticas; o funcionamento das eleições; e a cidadania. Entre os crimes estão golpe de Estado, interrupção do processo eleitoral, comunicação enganosa em massa e atentado ao direito de manifestação.

A Lei de Segurança Nacional é de 1983, período em que o país ainda vivia sob ditadura militar. A deputada Margarete Coelho (PP-PI), relatora da proposta, classificou a LSN como “último bastião de um regime de exceção”.

O texto-base tipifica dez novos crimes: atentado à soberania; atentado à integridade nacional; espionagem; abolição violenta do Estado Democrático de Direito; golpe de Estado; interrupção do processo eleitoral; comunicação enganosa em massa; violência política; sabotagem; atentado a direito de manifestação.

Não serão considerados crimes contra o Estado Democrática de Direito: manifestação crítica aos poderes constitucionais; atividade jornalística; reivindicação de direitos e garantias constitucionais por meio de passeatas, reuniões, greves, aglomerações ou qualquer outra forma de manifestação política com propósitos sociais.

A matéria ainda precisará passar pro apreciação do Senado para, se aprovada, entrar em vigor.

Notícias relacionadas

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR