Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
20 de fevereiro de 2019, 16h04

“Do jeito que está, não passa”: Governadores pedem mudanças na reforma da Previdência

A maior crítica dos governadores é com relação às mudanças para trabalhadores mais pobres, na aposentadoria rural e para professores; mandatários estaduais devem apresentar contraproposta

O ministro da Economia, Paulo Guedes, participa da reunião do Fórum de Governadores, no Centro Internacional de Convenções do Brasil (CICB). (Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil)

Com a exceção dos governadores de São Paulo, João Doria (PSDB), e do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), que defendem a aprovação da íntegra do projeto apresentado pelo governo para a reforma da Previdência, os outros 25 mandatários estaduais que participaram nesta quarta-feira (20) de uma reunião com o ministro da Economia, Paulo Guedes, exigem mudanças no texto.

Os governadores são essenciais para conseguir votos e ajudar o governo a aprovar a reforma. “Da maneira que foi colocada ali, independentemente da crise que existe, posso garantir, com a experiência de 25 anos que tenho advogando para várias categorias, que aquela proposta não passa. O governo hoje não detém 50 votos para aprovar aquela medida”, disse o governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB), após a reunião. A ideia de Rocha é liderar um grupo para apresentar uma contraproposta ao governo.

As principais críticas dos governadores são com relação às mudanças na aposentadoria rural e de trabalhadores mais pobres, além das mudanças para professores (servidores públicos). O governo Bolsonaro propõe, no texto entregue ao Congresso, elevar a idade de aposentadoria do BPC (benefício de prestação continuada) de 65 para 70 anos e exigir que trabalhadores rurais façam uma contribuição anual de R$ 600. Com relação aos professores, a mudança fixa uma idade mínima de 60 anos para a categoria.

“Algumas coisas precisam avançar, por exemplo, a grande maioria dos professores será  atingida de forma muito violenta por essa reforma que está sendo feita. Queremos ajudar o governo a ter um impacto menor perante a sociedade”, disse Rocha.

Já o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), atacou as mudanças para trabalhadores rurais e mais pobres, que ele classificou como “inadmissível”.

“Não há excedente produtivo, infelizmente, para sustentar uma contribuição de R$ 600, com o risco de frustração de safra. O pequeno produtor mal tem excedente para viver. Todas essas regras contra os pobres têm que ser derrubadas, retiradas do texto”, disse.

Diante da resistência dos governadores, o ministro da Economia, Paulo Guedes, sinalizou que pode vir a tirar os pontos citados da proposta. O secretário especial de Previdência, Rogério Marinho, afirmou que vai coletar as propostas dos governadores na próxima reunião, agendada para o fim de março.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum