O que o brasileiro pensa?
10 de julho de 2020, 08h24

Dois integrantes do MBL são presos por desvio de R$ 400 milhões em São Paulo

De acordo com o MP, os presos são investigados por lavagem de dinheiro e ocultação de patrimônio. Um dos mandados ocorre na sede do grupo, na Vila Mariana

Luciano Ayan (Reprodução)

Operação da Polícia Civil, Ministério Público Estadual e Receita Federal prendeu dois integrantes do Movimento Brasil Livre (MBL) na manhã desta sexta-feira (10). De acordo com o G1, a família Ferreira dos Santos, criadora do MBL, deve cerca de R$ 400 milhões em impostos federais.

A investigação afirma que o MBL teria recebido dinheiro de forma oculta através da plataforma Google Pagamentos ao invés de receber doações diretas na conta.

Os presos são Alessander Mônaco Ferreira e Carlos Augusto de Moraes Afonso, conhecido como Luciano Ayan e antigo sócio de Pedro D’Eyrot, um dos fundadores do MBL. Segundo o MP, eles são investigados por lavagem de dinheiro e ocultação de patrimônio.

De acordo com a polícia, Ferreira apresentou uma grande movimentação financeira incompatível com seus rendimentos. Ele também é acusado de ter criado sociedade em duas empresas de fachada e realizado doações suspeitas ao movimento.

Já Afonso é investigado por ameaçar opositores ao MBL e disseminar fake news nas redes sociais. Ele também teria criado quatro empresas de fachada e tem indícios de movimentação financeira incompatível, segundo a Receita Federal.

Consultor de informática, Afonso foi responsável por coordenar a página Ceticismo Político, acusada de disseminar fake news sobre as causas da morte da vereadora Marielle Franco.

Ao todo, a operação cumpre seis mandados de buscas e apreensão e dois de prisão em São Paulo e Bragança Paulista, cidade no interior do estado.

Nota do MBL

O deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP), um dos fundadores MBL, publicou em suas redes sociais nesta sexta-feira (10) uma “nota de esclarecimento” sobre as prisões realizadas nesta manhã.

No texto, o movimento não reconhece Carlos Augusto de Moraes Afonso e Alessander Mônaco Ferreira como membros do grupo e diz que as acusações são um “devanio tolo”.

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum