Para driblar protestos, Queiroga fará palestra virtual em Portugal

Apesar de a mudança, manifestantes pretendem manter ato contra o ministro da Saúde em Lisboa

Após a convocação de protestos por estudantes e ativistas, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, decidiu mudar a modalidade da palestra que será realizada por ele na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, em Portugal, na terça-feira (26). O evento agora será exclusivamente virtual.

Queiroga está fazendo um “tour” pela Europa para propagandear supostos “feitos” do governo do presidente Jair Bolsonaro uma semana após a divulgação do relatório final da CPI do Genocídio, que será votado na terça. Enquanto pesa sobre Bolsonaro acusações de 9 crimes (incluindo crimes de lesa-humanidade), a CPI pede o indiciamento de Queiroga por crime de epidemia com resultado em morte e prevaricação.

O núcleo do PT Lisboa ironizou o recuo do ministro e anunciou a manutenção do ato. “Fascista e fujão, Queiroga desiste de dar conferência presencial em Lisboa, onde enfrentaria protestos, passando para o formato virtual. Fora genocidas!”, tuitou.

“Militantes petistas seguirão participando do protesto previsto na porta da Faculdade de Medicina de Lisboa”, afirmou o núcleo do partido.

Da última vez que teve que encarar manifestantes, em Nova Iorque, o ministro protagonizou uma cena insólita ao dar o dedo do meio para os presentes dentro de um carro em movimento.

O evento acontece às 8h, horário de Brasília, e poderá ser assistido no perfil do YouTube da Faculdade de Medicina de Lisboa.

Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e pela América Latina, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum Global

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR