Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
22 de dezembro de 2019, 17h22

Eduardo Bolsonaro ataca MST e diz que movimento recebeu dinheiro do Mais Médicos

A declaração do filho do presidente foi dada no plenário da Câmara dos Deputados; assista

Foto: Reprodução/TV Senado

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) voltou a ser alvo do clã Bolsonaro. Em discurso feito no plenário da Câmara dos Deputados, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) afirmou que o MST recebeu dinheiro governamental por meio do programa Mais Médicos e por meio de obras de infraestrutura da empresa Odebrecht.

“A torneirinha do MST está acabando. Eles ainda tem uma gordura para queimar, eles tem algum dinheirinho na fonte. Ou você acha que, por exemplo, no Mais Médicos, que eram enviados 1 bilhão e 300 milhões de reais para Cuba uma parte disso não volta para cá?”, acusou o parlamentar. Ele ainda citou obras como o Porto de Mariel, em Cuba, e o metrô de Caracas, na Venezuela.

A frase foi dita em meio a um “balanço” dos governo Bolsonaro que o filho do presidente pretendia fazer. A questão agrária foi um dos pontos destacados por ele, louvando-se do fato de um suposto enfraquecimento do MST, que luta pelo direito à terra.

Mais Médicos

O programa Mais Médicos foi criado pelo governo de Dilma Rousseff (PT) com o objetivo de levar médicos para o interior do Brasil e para as periferias através da contratação de profissionais brasileiros e cubanos. No início do ano, das 18.240 vagas do programas cerca de 8.500 eram ocupadas por médicos cubanos, selecionados para vir ao Brasil por meio de um convênio com a Opas (Organização Pan-americana de Saúde).

O governo decidiu encerrar o Mais Médicos e lançou um programa similar sem os profissionais de Cuba. O “Médicos pelo Brasil” tem o mesmo objetivo do programa criado por Dilma, mas prevê mais privilégios e maiores salários para médicos que optarem por áreas longínquas. O regime de contratação também muda e agora será feito via CLT. Até então, os contratos eram temporários de até três anos. E estão previstas gratificações de acordo com o local de lotação do médico.

Cortina de fumaça

Nas redes sociais, alguns usuários disseram que Eduardo estaria tentando criar uma cortina de fumaça para esconder as investigações sobre o suposto esquema de corrupção montado pelo seu irmão, o senador Flávio Bolsonaro (RJ), com desvio e lavagem de dinheiro.

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum