Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
27 de janeiro de 2020, 07h40

Eduardo Bolsonaro faz lobby pela liberação das armas após morte de família a tiros por briga no trânsito

Em publicação na manhã desta segunda-feira (27), Eduardo Bolsonaro defende a liberação das armas e compartilha entrevista em que diz que "antes do desarmamento, as pessoas não se matavam no trânsito"

Eduardo Bolsonaro, com Filipe Barros e o pai, Jair, durante visita à Índia (Foto: Alan Santos/PR)

Menos de 12 horas após uma família ser morta a tiros por briga de trânsito no Rio Grande do Sul, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), foi às redes sociais nesta segunda-feira (27) fazer campanha para liberação das armas no Brasil.

“Os números indicam: c/menos armas legais a criminalidade no Brasil explodiu. Punir CACs c/burocracias e papéis não faz sentido quando se tem a internet. Além disso, o novo Brasil tem por princípio uma economia aberta e isso inclui as armas”, tuitou o deputado, compartilhando uma entrevista que deu à BBC durante viagem, em que acompanha o pai, Jair Bolsonaro, à Índia.

Na entrevista, Eduardo Bolsonaro voltou a criticar o “monopólio” da Taurus, principal financiadora da bancada da bala no Congresso, e fazer lobby para indústrias de armamentos de outros países.

“Já fui procurado por empresas, entre elas a [alemã] SIG Sauer. Acredito que outras empresas também estão quase certas desse interesse de abrir no Brasil, muito provavelmente [a italiana] Beretta, [a checa] CZ. Inclusive, rumores há pouco tempo atrás, de a empresa do Oriente Médio Caracal abrir uma fábrica em Goiás. Quem é do mundo das armas sabe que esses boatos sempre existem, mas na ponta acabam nunca se concretizando. O caso mais notório é o da europeia Ruag, uma fábrica de munições, que depois de 7 anos tentando abrir a sua fábrica, desistiu de fazê-lo”, afirmou.

Eduardo Bolsonaro defendeu a maior liberação de armas, dizendo que atualmente “a compra de um armamento segue quase um privilégio para as elites”.

“O que é melhor? O Brasil desarmado ou os EUA armados? Então acho que podemos aplicar essa medida no Brasil, lembrando que há pouco tempo, antes do desarmamento, as pessoas não se matavam no trânsito e não havia um número grandioso de mortes. Pelo contrário. Havia mais armas e menos mortes”, disse ele, comemorando a “redução” da criminalidade no Brasil atual.

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum