Eduardo Bolsonaro orienta Carla Zambelli e Bia Kicis: “Só pode ser preso mediante flagrante delito de crime inafiançável”

Em tuíte, filho de Jair Bolsonaro orienta deputadas bolsonaristas a usarem imunidade parlamentar para evitar serem presas na ação da PF contra fake news

Em polvorosa nas redes sociais diante da operação da Polícia Federal contra a milícia virtual bolsonarista que propaga fake news, desencadeada por ordem do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), o deputado Eduardo Bolsonaro (Sem Partido-SP) orientou as colegas Carla Zambelli (PSL-SP) e Bia Kicis (PSL-DF), que são alvos da ação.

“Prezadas @CarlaZambelli38 e @Biakicis, vale lembrar que deputado só pode ser preso mediante flagrante delito de crime inafiançável. Se for para ser ouvido o deputado é que marca hora e local. Quem não respeitar isso comete, no mínimo, abuso de autoridade”, escreveu o filho de Jair Bolsoanro.

Em sequência de vários tuítes na manhã desta quarta-feira (27), Eduardo, que durante a campanha falou que bastava “um cabo e um soldado para fechar o STF”, disse que a ação é para “constranger conservadores” e atacou o ministro Alexandre de Moraes.

“Quando o crime em análise é corrupção a morosidade da justiça impressiona. Mas para constranger conservadores que sequer crime cometeram a velocidade surpreende mais ainda. Quem está desestabilizando nossa democracia?”, escreveu.

Eduardo ainda divulgou um vídeo com críticas ao ministro e saiu na defesa do blogueiro Allan dos Santos e do humorista humorista Rey Biannchi. “Inacreditável”.

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR