Efeito CPI: Rejeição de Bolsonaro atinge patamar mais alto desde o início do governo e chega a 59%

Pesquisa é a primeira realizada com a CPI do Genocídio em pleno funcionamento

Pesquisa realizada pelo instituto PoderData, ligado ao portal Poder360, mostra que, no mês de maio, o presidente Jair Bolsonaro chegou a seus piores índices em termos de aprovação e avaliação do seu trabalho. O período que coincide com a instalação da CPI do Genocídio, que busca investigar as ações e omissões do governo diante da pandemia de Covid-19.

Levantamento divulgado nesta quarta-feira (26) aponta que o grupo que desaprova o governo chegou a 59% da população, igualando o recorde do fim de março. Os que aprovam são apenas 35%. 6% não sabem.

O estudo ainda indica que a avaliação retornou ao seu pior patamar: 55% consideram o governo como Ruim ou Péssimo, mesmo percentual recorde registrado no início de abril. Apenas 13% avaliam como regular e outros 28% enxergam como Bom ou Ótimo.

A desaprovação do presidente é maior entre jovens de 16 a 24 anos, onde o índice chega a 75%. Mulheres reprovam o governo mais do que os homens, mas o presidente “perde” em ambos os recortes.

Nas regiões Nordeste, Centro-Oeste e Sudeste a reprovação passa de 60%. No Norte, a aprovação chega a 74% – único recorte da pesquisa em que a aprovação supera a desaprovação.

O PoderData destaca que esse foi o primeiro levantamento feito após a CPI estar em pleno funcionamento. A comissão já ouviu ex-ministros, o atual ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e outras figuras relacionadas com a gestão da pandemia.

CONFIRA AQUI A PESQUISA

Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e pela América Latina, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum Global

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR