Ao lado de Flávio, Eduardo Paes faz chamada de vídeo para Bolsonaro e diz que o livrou “do pior”

"Sempre tive uma boa relação com ele. Não nos falamos há muitos anos. Em duas eleições, uma ele apoiou o Witzel e ganhou e, na outra, apoiou o Crivella e eu ganhei", disse Paes

Em ligação de vídeo na manhã desta segunda-feira (30) ao lado do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos), Eduardo Paes (DEM), prefeito eleito do Rio de Janeiro, falou para Jair Bolsonaro que o livrou “do pior”, em relação ao candidato derrotado e atual prefeito, Marcelo Crivella (Republicanos), que foi apoiado e ganhou o voto do presidente.

“Disse que já podia ter livrado ele do Wilson Witzel (governador afastado e alvo de impeachment), se ele não tivesse errado. Mas que ele votou errado de novo, mas eu livrei ele do pior prefeito da história da vida dele e do Rio”, contou Paes ao jornal O Globo.

Neste domingo (29), após o anúncio de vitória nas urnas, Paes fez seu pronunciamento ao lado do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), que vive uma relação instável com o presidente, embora seu partido seja uma das principais bases de sustentação do governo.

Paes disse que sempre teve uma boa relação com Bolsonaro, mas que não falava com o atual presidente, ambos do Rio, há anos.

“Posso pensar diferente, mas manterei o diálogo sempre. Os interesses da cidade têm que estar acima das minhas opiniões políticas e pessoais sobre qualquer posição do presidente Bolsonaro. Sempre tive uma boa relação com ele. Não nos falamos há muitos anos. Em duas eleições, uma ele apoiou o Witzel e ganhou e, na outra, apoiou o Crivella e eu ganhei. E eu respeitei a posição dele e em nenhum momento pedi que fizesse o contrário. Não pedi o apoio dele”, afirmou o prefeito eleito do Rio.

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR