Folha acusa Boulos de omitir do patrimônio na Justiça Eleitoral saldo de R$ 579,53 em conta corrente

"Acredite se quiser", reagiu Boulos nas redes. Além do automóvel Celta - mesmo patrimônio declarado há dois anos quando concorreu à Presidência -, o candidato inclui os R$ 579,53 da conta bancária em que recebe remuneração por aulas e textos que produz

Reportagem de Italo Nogueira, na edição desta sexta-feira (23) da Folha de S.Paulo, acusa o candidato do PSOL à prefeitura de São Paulo, Guilherme Boulos, de omitir de seu patrimônio à Justiça Eleitoral “o saldo da conta bancária em que recebe remuneração por aulas e textos que produz”.

A acusação – classificada como “inacreditável” pelo candidato – feita é corrigida na própria reportagem, que diz “após ser questionado sobre a ausência da informação em seu registro de candidatura, que corrigiu na Justiça nesta quarta-feira (21) os dados sobre seu patrimônio”. “O candidato do PSOL declarou saldo de R$ 579,53”.

“Inacreditável a desonestidade dessa matéria da Folha! Insinuam que eu omiti patrimônio por não ter mencionado ao TRE o saldo de R$579 na minha conta bancária. Sim, R$579! Acredite se quiser…”, comentou Boulos em suas redes sociais, compartilhando a reportagem do jornal da família Frias.

O texto diz ainda que Boulos “é um dos 146 candidatos a prefeito nas capitais do país que não declarou qualquer conta ou investimento em banco no pedido de registro de candidatura”.

“Boulos declarou à Justiça possuir apenas um automóvel Celta, avaliado em R$ 15.416 – é o mesmo patrimônio declarado há dois anos, quando ele se candidatou à Presidência”, diz a reportagem.

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR