Russomanno mantém nas redes fake news contra Boulos que Justiça Eleitoral mandou deletar

TRE deu 48 horas para o candidato de Bolsonaro à prefeitura de São Paulo excluir publicação em que dissemina mentiras sobre o candidato do PSOL; mais de 24 horas já se passaram desde a decisão

O deputado Celso Russomanno (Republicanos), candidato à prefeitura de São Paulo, ainda não acatou uma decisão da Justiça Eleitoral que o obriga a deletar de seu Facebook uma publicação em que dissemina fake news contra o candidato do PSOL, Guilherme Boulos.

Proferida pelo juiz Renato de Abreu Perine, da 2ª Zona Eleitoral, neste sábado (31), a decisão determina que o candidato de Bolsonaro exclua a postagem em 48 horas. Às 16h20 deste domingo (1), mais de 24 horas após a liminar, Russomanno ainda mantinha as publicações tanto no Facebook quanto no Twitter.

A publicação em questão trata-se do vídeo “Boulos de problemas”, em que, entre outras mentiras, tentar associar o candidato com a cobrança de aluguel de moradores em um imóvel que pegou fogo no centro. Os moradores do edifício Wilton Paes de Almeida eram ligados a um grupo diferente do MTST, movimento social de Boulos.

Russomanno mantém no Facebook fake news que Justiça Eleitoral mandou deletar (Reprodução)

“Concedo a medida de urgência para determinar que, em quarenta e outo horas, procesda o Facebook Serviços Online do Brasil LTDA, a imediata suspensão do vídeo”, diz um trecho da decisão judicial.

Enquanto o candidato do Republicanos despenca nas pesquisas, Boulos aparece em crescimento. No Datafolha, os dois estão tecnicamente empatados na disputa pela segunda vaga do segundo turno.

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR