Russomanno: “Tenho grandes amigos que são negros. E tive namorada, inclusive”

Candidato bolsonarista, Russomanno disse que imagem de punho cerrado, usada pela prefeitura de SP em homenagem ao Dia da Consciência Negra, está relacionado a Lenin e à "defesa do socialismo"

Após classificar como “ato de vandalismo” imagens de punhos cerrados colocadas em semáforos de pedestres em homenagem ao Dia da Consciência Negra, Celso Russomanno afirmou que teve “inclusive” namorada negra como exemplo de que “não vê diferença entre negros e brancos”.

“Eu não vou polarizar essa questão. Eu fui criado por uma mãe de leite, negra. Eu sou uma pessoa que não vejo diferença entre os negros e os brancos. Tenho grandes amigos que são negros. E tive namorada, inclusive. Eu não tenho problema nenhum com isso. Agora, a prefeitura não pode fazer uma campanha e não dizer para população o que é que ela está fazendo”, afirmou o candidato bolsonarista durante sabatina no portal Uol.

Russomanno disse que a prefeitura de São Paulo, comandada pelo opositor Bruno Covas (PSDB), deveria ter feito uma “campanha” para não confundir a homenagem ao Dia da Consciência Negra com o ato de punho cerrado, que segundo ele remete ao líder comunista Vladimir Lenin.

“Depois que eu tomei conhecimento do que a Prefeitura queria fazer. A Prefeitura deveria ter feito uma campanha, porque se a gente remeter essa história, nós vamos mostrar que em 1917 Lênin usava o punho fechado como defesa do socialismo”, afirmou.

Russomanno disse ainda que o gesto é símbolo da “esquerda” e que vai processar a prefeitura por crime de improbidade. “Esse gesto é um gesto que é tido, ao longo de quase cem anos, é como um gesto de esquerda. A gente tem que apagar a história primeiro para depois a gente falar sobre isso. […] Eles vão responder por crime de improbidade”.

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR