Em debate na Band, Boulos denuncia aproximação de França com Bolsonaro

O candidato do PSB, no entanto, ignorou o trecho da pergunta de Boulos em que o psolista denunciou sua aproximação com o presidente

No primeiro debate entre os candidatos à prefeitura de São Paulo, realizado pela Bandeirantes na noite desta quinta-feira (1), Guilherme Boulos (PSOL) queria fazer uma pergunta a Celso Russomanno (Republicanos), mas pelas regras o candidato bolsonarista não poderia mais receber perguntas, então o psolista dirigiu sua questão a Márcio França (PSB).

Boulos questionou França sobre uma declaração do candidato com relação à violência contra a mulher e o apoio que ele vinha buscando do presidente Jair Bolsonaro. “Márcio França, em abril de 2018, você disse que a polícia não tem que se envolver com a violência contra a mulher. Agora você foi correr atrás do Bolsonaro, o que é lamentável. Sua política é essa, lavar as mãos em relação à violência contra a mulher?”, perguntou o líder do MTST.

Em sua reposta, França ignorou completamente o fato de, há alguns meses, ter buscado uma aproximação com o presidente, e disse que a fala sobre violência contra a mulher reproduzida por Boulos seria fake news.

“Acho engraçado que você corrobora com fake news. Onde você viu isso? A PM tem como função se relacionar com desentendimentos. Não precisaríamos de policiais para fazer isso”, respondeu França, dizendo que sua fala sobre o assunto foi tratada com “malícia”.

Boulos, então, rebateu: “Ninguém precisa acreditar em mim, só dar um Google que vocês vão ver tudo. Meu compromisso é com as mulheres. Ampliando a patrulha Maria da Penha. Articulando com casa de acolhimento. Mulheres violentadas não são números, são vidas”.

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR