#Fórumcast, o podcast da Fórum
12 de outubro de 2019, 06h30

Em guerra com Bolsonaro, PSL contrata auditoria para averiguar contas da campanha presidencial

Contra-ataque: Enquanto Bolsonaro aciona advogados para ter acesso às contas de campanha do PSL, legenda reage e contrata auditoria para investigar a campanha do próprio presidente

Foto: Agência Brasil

A crise interna entre o presidente Jair Bolsonaro e seu partido, o PSL, segue a todo o vapor. Depois de vir à público que o capitão da reserva, junto a 21 parlamentares da legenda, decidiu acionar advogados para ter acesso às contas de campanha da agremiação, a ala majoritária da legenda – que não encampou apoio ao presidente – informou que contratará uma auditoria externa para averiguar as contas de campanha do próprio Bolsonaro.

O contra-ataque do PSL à defesa de Bolsonaro, segundo disse um parlamentar da sigla ao jornalista Gerson Camarotti, do G1, pode deixar “as vísceras do partido expostas”. Segundo Daniela Lima, da Folha de S. Paulo, a ideia da auditoria externa para investigar as contas do presidente da República tem como objetivo provocar um “debate ético”.

A atitude de Bolsonaro e dos parlamentares ao pedirem acesso às contas do PSL vem logo após o episódio em que o chefe do Executivo disse para um seguidor que ele deveria “esquecer” o partido porque o presidente nacional da legenda,Luciano Bivar, estava “queimado”.

Os apoiadores de Bolsonaro argumentam que o acompanhamento das despesas deve ser feito já que o PSL deve receber 10 vezes mais recursos do que recebia anteriormente devido a eleição de 54 deputados federais. “Calha a responsabilidade de rigoroso acompanhamento das despesas do partido não somente pela justiça eleitoral, como também por todos aqueles que tenham legitimidade e interesse na manutenção da moralidade e, assim, transparência na arrecadação e gastos desses recursos públicos e privados, eventualmente aportado aos partidos por particulares”, diz o texto.

Ao lado de Bolsonaro estão seus dois filhos filiados à legenda, Eduardo (deputado federal, SP) e Flávio (senador, PSL), e outros 19 deputados federais, os mesmos que assinaram nota na quarta-feira em apoio às críticas que o presidente da República fez ao partido. No total, a legenda possui 53 deputados federais e 3 senadores – os rebeldes representam cerca de um terço disso.

Bolsonaro e PSL em guerra


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum