Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
26 de março de 2019, 06h27

Em meio a crise de Bolsonaro com Congresso, Mourão janta com empresários na casa de Skaf em SP

Após rusgas com Bolsonaro, Rodrigo Maia articulou o congelamento de relações com o governo. Até mesmo o PSL critica falta de traquejo do executivo com congressistas: "Quem apanha não esquece", disse Alexandre Frota (PSL/SP)

Bolsonaro e Mourão (Foto: Marcos Corrêa/PR)

Em meio à crise instalada por Jair Bolsonaro (PSL) na relação com o Congresso – em especial com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM/RJ) -, o vice-presidente, general Hamilton Mourão desembarca nesta terça-feira (26) em São Paulo para um jantar com nomes ligados ao alto empresariado brasileiro na casa do presidente da Fiesp, Paulo Skaf (MDB).

Segundo a coluna Painel, de Daniela Lima, na edição desta terça-feira (26) da Folha de S.Paulo, participam do encontro com o general Fábio Coelho (presidente do Google no Brasil), André Gerdau, Vitório Demarchi (Ambev), Pedro Parente (BRF), Marcelo Melchior (Nestlé) e Flávio Rocha (Riachuelo).

Mourão tem motivado uma das fissuras no Planalto – especialmente na relação com o grupo ligado ao astrólogo Olavo de Carvalho, capitaneado pelos filhos de Bolsonaro.

No Congresso, Rodrigo Maia – que rompeu com o governo após se irritar com os tuítes de Carlos Bolsonaro -, buscou alinhamento com partidos de centro e centro-direita que, incomodados com o discurso do capitão da luta entre “nova x velha política”, vão congelar as relações com o governo.

Já há grupos, inclusive, que apoiam o descarte da proposta da reforma da Previdência de Paulo Guedes, ministro da Economia, que enfrenta audiência pública nesta terça-feira na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) em um congresso de ânimos acirrados.

O próprio partido de Bolsonaro, o PSL, critica a articulação do governo com os congressistas e, enciumado do tratamento dado ao capitão ao DEM, se tornou obstáculo na tramitação de pautas governistas nas casas legislativas.

“É engraçado o governo querer contar com o PSL, sendo que, na transição, o partido do governo foi o DEM, que tem ministro da Casa Civil, da Agricultura, tem tudo o que quer”, diz Alexandre Frota (PSL-SP).

Preterido por Bolsonaro, o ex-ator não disfarça a mágoa com o tratamento dispensado a ele e aos colegas de PSL. “Quem apanha não esquece”, afirmou Frota. “Não está no direito de se negociar (cargos)? Cada um está livre para fazer o que quiser. Falta comunicação, faltam articuladores, muita gente não está satisfeita como a reforma (da Previdência) foi tratada pelo governo”, disse ao jornal O Globo.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum