O que o brasileiro pensa?
31 de janeiro de 2019, 15h09

Em nota no site do Ministério, Damares diz que considera Lulu “uma filha” e reclama de “tamanha exposição”

Indígenas contam que Damares e Márcia Suzuki se apresentaram como missionárias na aldeia e teriam levado a garota para fazer um tratamento dentário. Questionada se sabia que ela não mais retornaria, a avó de Lulu foi direta: “Nunca”.

Montagem/Revista Época/Agência Brasil

Em nota publicada nesta quinta-feira (31) no site do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves diz que considera Lulu Kamayurá “uma filha”, diz que a menina (hoje com 20 anos) “não foi arrancada dos braços dos familiares” e reclama de “tamanha exposição” diante da repercussão da reportagem dos jornalistas Natália Portinari e Vinicius Sassine, na revista Época.

Na reportagem, liberada pela revista na internet após vazamento da capa da próxima edição, a avó conta que, aos 6 anos de idade, Lulu teria sido levada por Damares da aldeia de forma irregular sob pretexto de fazer um tratamento dentário na cidade e nunca mais voltou.

Leia também: Pelo Twitter, jornalista de Época diz que criança indígena levada por Damares “não foi salva de ser enterrada”

Indígenas contam que Damares e Márcia Suzuki, amiga e braço direito da ministra, se apresentaram como missionárias na aldeia. “Chorei, e Lulu estava chorando também por deixar a avó. Márcia levou na marra. Disse que ia mandar de volta, que quando entrasse de férias ia mandar aqui. Cadê?”, diz a avô da garota. Questionada se sabia, no momento da partida de Lulu, que ela não mais retornaria, foi direta: “Nunca”.

Na nota, a ministra nega que estava presente quando a menina deixou a aldeia e diz que a conheceu em Brasília. “Ela saiu com total anuência de todos e acompanhada de tios, primos e irmãos para tratamento ortodôntico, de processo de desnutrição e desidratação. Também veio a Brasília estudar”.

A reportagem ainda diz que a situação de adoção de Lulu não foi oficializada por Damares, que nega que tenha adotado a garota. “Como não se trata de um processo de adoção, e sim um vínculo socioafetivo, os requisitos citados pela reportagem não se aplicam”, diz a nota.

Para Damares, Lulu “não é pessoa pública”, é “maior de idade” e “não foi sequestrada”. A ministra ainda reclamada repercussão do caso. “Nenhum suposto interesse público no caso deveria ser motivo para a violação do direito a uma vida privada, sem tamanha exposição”.

Leia a íntegra da nota.

Sobre as repercussões relacionadas à matéria da revista Época no processo de adoção de Lulu Kamayurá, o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos esclarece os seguintes pontos:

1. A ministra Damares Alves não estava presente no processo de saída de Lulu da aldeia. As duas se conheceram em Brasília.

2. Lulu não foi arrancada dos braços dos familiares. Ela saiu com total anuência de todos e acompanhada de tios, primos e irmãos para tratamento ortodôntico, de processo de desnutrição e desidratação. Também veio a Brasília estudar.

3. Damares é uma cuidadora de Lulu e a considera uma filha. Como não se trata de um processo de adoção, e sim um vínculo socioafetivo, os requisitos citados pela reportagem não se aplicam. Ela nunca deixou de conviver com os parentes, que ainda moram em Brasília.

4. Lulu não foi alienada de sua cultura e passou por rituais de passagem de sua tribo.

5. Lulu não é pessoa pública. É maior de idade. Não foi sequestrada. Saiu da aldeia com familiares, foi e é cuidada por Damares com anuência destes. Nenhum suposto interesse público no caso deveria ser motivo para a violação do direito a uma vida privada, sem tamanha exposição.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum