Em oposição ao seu irmão e ao próprio partido, Cid Gomes se diz contra o impeachment de Bolsonaro

"Não podemos vulgarizar essa coisa de impeachment", afirma o senador do PDT, indo na contramão do movimento político pelo afastamento do presidente

Em meio ao crescente movimento no meio político, jurídico e também na sociedade civil pelo impeachment de Jair Bolsonaro, o senador Cid Gomes (PDT-CE) resolveu caminhar no sentido contrário e expor que não é a favor da abertura de um processo de impedimento do presidente.

“Não podemos vulgarizar essa coisa de impeachment. Salvo melhor juízo, ele [Bolsonaro] deve continuar aí, e a gente, de qualquer forma, ver o preço que tem que pagar por uma escolha ruim e pensar mais nas consequências das nossas escolhas. O brasileiro cada vez mais está escolhendo no dia da eleição e não deve ser assim. Isso é ruim, é problemático”, afirmou Cid em entrevista ao Sistema Verdes Mares divulgada nesta terça-feira (19).

Ao se posicionar contra o impeachment, o senador antagoniza com a posição de seu irmão, Ciro Gomes, que é virtual candidato à presidência em 2022, e de seu próprio partido, o PDT, que já assinou mais de duas peças de impeachment contra Bolsonaro protocoladas na Câmara dos Deputados.

Leia também: Impeachment de Bolsonaro ganha impulso neste início de ano e deve ser tema central da esquerda

“O PDT já discutiu e deliberou pela defesa do impeachment. Se houver qualquer deliberação (sobre o impeachment), prevalecerá a decisão partidária, mas, enquanto não houver essa decisão, tenho ponderado que a gente não pode vulgarizar um instrumento que, ao meu juízo, é para ser utilizado em oportunidades extraordinaríssimas. Até para que isso não se vulgarize e seja usado como fato ideológico. Alguém progressista assume o poder, e com isso vulgarizado por questões ideológicas, alguém vai querer justificar o impeachment, usando um pano de fundo como corrupção. Deve ser o último recurso e em raríssimas exceções”, explicou o parlamentar.

Em outra ponta, seu irmão, Ciro Gomes, intensifica dia a dia sua posição de que somente um impeachment seria capaz de resolver a crise de saúde, econômica e social que assola o Brasil. Para se ter uma ideia, o ex-governador do Ceará, somente nesta terça-feira (19), fez três postagens em seu Twitter com hashtags relacionadas ao afastamento de Bolsonaro.

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_