Fórumcast, o podcast da Fórum
23 de agosto de 2019, 21h04

Em pronunciamento, Bolsonaro fala em GLO Ambiental e manda indireta para países do G7

Pressionado internamente e pela comunidade internacional, Bolsonaro adotou tom moderado e tentou se esquivar de críticas

Foto: Carolina Antunes/PR

Em pronunciamento em rede nacional, o presidente Jair Bolsonaro adotou tom moderado para falar da Floresta Amazônica. Claramente desconfortável e intimidado pelas críticas, ele deu uma declaração curta e cheia de recortes em que fala de “dinamismo econômico” na região amazônica, culpa as condições climáticas e diz que pretende decretar Garantia de Lei e Ordem ambiental nos estados que solicitarem auxílio do governo federal. O pronunciamento foi alvo de panelaços em várias regiões do país.

Pressionado internamente e pela comunidade internacional, Bolsonaro disse que a formação militar lhe garantiu “amor e respeito pela Amazônia” e disse que está ciente do desmatamento ilegal, que afirmou ser preciso combater. No entanto, Bolsonaro manteve sua postura de certa complacência com o avanço do agronegócio, dizendo que “mais de 20 milhões de brasileiros aguardam dinamismo econômico” e “que não basta fiscalização com mando e controle” e que precisa gerar “desenvolvimento” na Amazônia.

Bolsonaro ainda afirmou que pretende usar as Forças Armadas para combater atividades ilegais e conter o avanço das queimadas através de um decreto de Garantia de Lei e Ordem focado na questão ambiental.

No entanto, o presidente tentou fugir das críticas que apontam que os culpados pelo aumento das queimadas são fazendeiros e madeireiros e culpou o clima quente e falta de chuvas pelos incêndios. Ele ainda destacou que “mensagens infundadas” estão sendo espalhadas para atacá-lo e criticou os líderes do G7. “Incêndios florestais existem em todo o mundo”, destacou Bolsonaro.

Assista a íntegra.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum