Fórum Educação
12 de março de 2020, 06h35

Em reunião sobre coronavírus, Guedes reclama sobre aprovação de BPC e irrita deputados

Ministro disse que a responsabilidade pela doença é do Congresso, mas parlamentares estariam "reagindo ao governo" ao aprovar "mais despesas"

O ministro Paulo Guedes - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, participou de uma reunião emergencial com deputados para debater sobre os efeitos do avanço do coronavírus. Contudo, ministro usou sua fala para transferir a responsabilidade ao Legislativo e reclamar de medidas aprovadas no Congresso, como a ampliação do Benefício de Prestação Continuada (BPC), dizendo que parlamentares estariam “reagindo ao governo” e aprovando “mais despesas”.

O BPC havia sido aprovado poucas horas antes do encontro e é pago a idosos e pessoas com deficiência de baixa renda. “O Congresso reage (ao governo) e aprova mais despesas, que não são as que queremos atingir, derrubamos o teto (de gastos), vamos para LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal), o governo trava os recursos, onde vamos parar? Queremos processo de confronto agora? Disputa política hoje? Ou hoje temos que estar juntos para dar uma solução para a população brasileira?”, questionou Guedes.

Com relação ao coronavírus, parlamentares disseram ao Estado de S.Paulo que ministro quis “enquadrar” o Legislativo para tirar a responsabilidade do Executivo. “A solução é política, e ela é dos senhores. A coisa técnica, o mapa técnico, nós temos, sabemos como ligar as torneiras, sabemos como despejar o dinheiro, realocar o dinheiro, vamos acelerar as reformas. Agora, tem uma coisa que é inescapável, a solução é política”, disse. 

Apesar de Guedes transferir a responsabilidade ao Legislativo, a doença tem sido usada pelo Ministério da Economia como argumento para justificar o baixo crescimento econômico do país, com resultado pífio do PIB e aumento progressivo do dólar.

Alguns parlamentares se retiraram da sala com a fala do ministro. Coube ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre, acalmar os ânimos. “Não é possível isso, é inacreditável. Estamos falando de um caso grave, um caso concreto no nosso País, onde todos nós temos que ter a responsabilidade do tamanho das nossas obrigações. Vamos aguardar e ouvir o ministro da Economia, o ministro da Saúde, as autoridades do governo e vamos fazer a nossa parte no Congresso, por favor. Depois a gente discute no plenário”, disse Alcolumbre. 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum