Fórumcast, o podcast da Fórum
24 de junho de 2018, 18h44

Em sessão na Câmara, Bolsonaro elogiou grupos de extermínio: “Meus parabéns”

O pré-candidato à presidência da República disse que os criminosos são "muito bem-vindos" pois, na visão do parlamentar, ocupam um vácuo pela ausência da pena de morte no país

Foto: Agência Câmara

O pré-candidato à presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL), usou a tribuna da Câmara dos Deputados para elogiar a atuação de grupos de extermínios. A reportagem da Folha de S. Paulo deste domingo (24) traz o áudio de uma declaração do parlamentar em 2003. Bolsonaro disse que os criminosos são “muito bem-vindos” ao ocupar um vácuo pela ausência da pena de morte no país.

Ele disse ainda que a atuação dos grupos de criminosos que cometem assassinatos sem nenhuma base legal é um caminho para o combate à violência.

“Desde que a política de Direitos Humanos chegou em nosso país, cresceu, se avolumou e passou a ocupar grande espaço nos jornais, a violência só aumentou. A marginalidade cada vez mais tem se visto mais à vontade, tendo em vista esses neoadvogados para defendê-los. Dizer aos companheiros da Bahia que… agora a pouco veio um parlamentar criticar os grupos de extermínio…, enquanto o Estado não tiver coragem para adotar a pena de morte, esses grupos de extermínio, no meu entender, são muito bem-vindos. Se não tiver espaço na Bahia, pode ir para o Rio de Janeiro. Se depender de mim, terão todo o apoio. No Rio de Janeiro, só as pessoas de bem são dizimadas. Na Bahia, as informações que eu tenho, lógico são grupos ilegais, mas, meus parabéns, a marginalidade tem decrescido.”

Ouça o áudio com elogios de Bolsonaro aos grupos de extermínio

Um mês depois da fala de Bolsonaro, um mecânico foi assassinado na Bahia. Gérson Jesus Bispo acusava policiais militares de assassinar o irmão e um amigo.

Uma CPI foi instalada no mesmo ano para investigar a atuação dos esquadrões da morte no Nordeste. De acordo com as investigações dos parlamentares, os grupos são constituídos em sua maioria por policiais, ex-policiais, seguranças privados, integrantes de organizações criminosas vinculadas ao tráfico de drogas e outras atividades lícitas e “grupos que não guardam relações específicas com o crime organizado, mas exercem o controle de determinadas regiões com a desculpa de garantir a ‘segurança’ de seus moradores”.

Rio de Janeiro

O Rio de Janeiro sofreu, durantes os primeiros anos do século XXI, um dos maiores períodos de expansão da milícia, inicialmente conhecida como “polícia mineira”. O modus operandi é o mesmo dos grupos de extermínio da Bahia: atira primeiro e pergunta depois. Os assassinatos em nome do combate à violência ganharam apoio da classe média carioca e declarações positivas de políticos como os ex-prefeitos Cesar Maia e Eduardo Paes. Enquanto isso, os moradores as comunidades sob a ação de milicianos eram acharcados com a cobrança ilegal de gás, internet e televisão a cabo. Comerciantes são obrigados a pagar uma taxa mensal “para a segurança da região”. Quem não paga, sofre retaliações que podem ir desde a depredação dos estabelecimentos até a morte do proprietário.

Em 2007, a milícia ocupava 92 das 300 favelas cariocas. Um caso dramático ganhou destaque mundial: uma jornalista e um fotógrafo do jornal O Dia que passaram alguns dias na Favela do Batan, na Zona Oeste da Cidade, foram descobertos pelos milicianos e torturados. Em 2008, uma investigação da Polícia Federal (PF) apontou a ligação entre Álvaro Lins, ex-chefe da Polícia Civil dos governos de Anthony Garotinho e Rosinha, com milícias do estado.

Segundo dados da Secretaria de Segurança, as milícias, em 2018 ocupam no Rio mais favelas do que o tráfico e passaram também a atuar no comércio de entorpecentes. As guerras pelo controle da venda de drogas entre traficantes e milicianos levam pânico principalmente nas zonas norte e oeste da cidade.

A reportagem da Folha de S. Paulo procurou Bolsonaro para saber se, 15 anos depois, sua opinião permanece a mesma, mas ele não retornou o contato do jornal.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum