#Fórumcast, o podcast da Fórum
12 de setembro de 2019, 19h54

Em último ato na PGR, Rachel Dodge diz temer pela democracia

"No mundo surgem vozes contrárias ao regime de leis, ao respeito aos direitos fundamentais e ao meio ambiente sadio também para as futuras gerações", alertou a procuradora

Foto: Nelson Jr./SCO/STF

A procuradora-geral da República (PGR), Rachel Dodge, participou nesta quinta-feira (12) de sua última sessão como titular do cargo. Em discurso, a procuradora adotou um tom duro, defendendo a autonomia do Ministério Público e alertando aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) para as ameaças que a democracia no Brasil tem sofrido e cobrando deles a responsabilidade de defender a Constituição e as minorias.

“Permitam-me fazer um alerta para que permaneçam atentos a todos os sinais de pressão sobre a democracia liberal, vez que no Brasil e no mundo surgem vozes contrárias ao regime de leis, ao respeito aos direitos fundamentais e ao meio ambiente sadio também para as futuras gerações”, disse a atual PGR, que deixa o cargo na próxima semana.

Leia também
A vingança de Dodge: preterida, procuradora desengaveta ações contra bolsonaristas

Dodge declarou que “se o esforço do século XX foi o de erguer a democracia liberal brasileira, o esforço do século XXI é impedir que ela morra”, em discurso proferido dias depois de comentário do vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho “02” do presidente, de que não se terá transformações rápidas por vias democráticas.

“Protejam a democracia brasileira, tão arduamente erguida em caminhos de avanços e retrocessos, mas sempre sob o norte de que a democracia é o melhor modelo para construir uma sociedade de mais elevado desenvolvimento humano”, disse aos ministros do STF.

Ela ainda defendeu a autonomia do Ministério Público e disse que ele tem uma “grave responsabilidade” de “acionar o sistema de freios e contrapesos, para manter leis válidas perante a constituição, pare proteger o direito e segurança a todos, para defender minorias, trazendo casos a esta corte, porque o Supremo precisa ser acionado para que possa decidir”.

O substituto de Dodge no comando da PGR deve ser o subprocurador-geral Augusto Aras, indicado por Jair Bolsonaro após um longo mistério feito pelo presidente. Aras não estava na lista tríplice elaborada pela Associação Nacional de Procuradores da República (ANPR) e foi indicado por um aliado de Bolsonaro investigado por corrupção. Ele é o primeiro nome, desde 2003, a ser escolhido fora da lista da ANPR e ainda tem que passar pela chancela do Senado Federal.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum