Fórumcast, o podcast da Fórum
25 de agosto de 2018, 09h17

Empresário diz que pagou R$ 1 milhão de propina ao Coronel Lima, amigo de Temer

Polícia Federal apura se o valor, vinculado a um contrato no Aeroporto de Brasília, foi repassado pelo Coronel Lima a Michel Temer

Foto: Reprodução/TV Globo

Mais uma testemunha prestou depoimento no inquérito que investiga se um decreto presidencial beneficiou empresas do setor de portos, em troca de propina. Segundo declarações do empresário Marcelo Castanho, o Coronel Lima, amigo de Michel Temer, recebeu propina no valor de R$ 1 milhão em um contrato no Aeroporto de Brasília. As informações são de Patricia Falcoski, no G1.

Castanho disse à Polícia Federal (PF) que na negociação para explorar a área do Aeroporto de Brasília com publicidade, em 2014, pagou R$ 1 milhão a uma empresa do coronel João Batista Lima Filho, ex-assessor e amigo de Temer há mais de 30 anos. O empresário revelou que fez uma parceria com o empresário Rodrigo Castro Neves, porque ele era próximo de José Antunes Sobrinho, na época presidente da Inframerica – responsável pelo aeroporto.

Ele contou que “quando tudo já estava acertado, em setembro de 2014”, Rodrigo Neves comunicou que havia uma mudança no pagamento. Disse, ainda, que R$ 1 milhão deveria ser pago para a Argeplan, de acordo com orientação do próprio presidente da Inframerica. O coronel João Lima Batista é um dos sócios da Argeplan.

Veja também:  Aspirante a embaixador, Eduardo Bolsonaro chama Macron de idiota

A Polícia Federal apura, agora, se o valor de um R$ 1 milhão foi repassado pelo Coronel Lima ao presidente Michel Temer. Lima é um dos investigados no inquérito dos portos, e chegou a ser preso em março deste ano. A PF suspeita que ele seja um operador de propina de Temer.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum