Enquanto preço do botijão dispara, Petrobras distribui bilhões a acionistas

"Bandidos", reagiu a presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann, diante da notícia de distribuição dos lucros bilionários da Petrobras

A diretoria da Petrobras decidiu dobrar a remuneração aos acionistas após alcançar um lucro de R$ 31,8 bilhões apenas no terceiro trimestre de 2021. O acúmulo acontece em meio a uma disparada de preços dos combustíveis provocada por uma política de preços adotada pela empresa que privilegia o lucro dos acionistas em detrimento da população, que depende de gasolina, diesel e gás de cozinha e paga valores cada vez mais altos.

Notícias relacionadas

“A Petrobras informa que seu Conselho de Administração, em reunião realizada hoje (28/10), aprovou o pagamento de nova antecipação da remuneração aos acionistas relativa ao exercício de 2021, no valor total de R$ 31,8 bilhões (cerca de US$ 6 bilhões), equivalente a R$ 2,437865 bruto por ação preferencial e ordinária em circulação”, disse a estatal em nota.

“Essa distribuição se soma aos R$ 31,6 bilhões anunciados em 04/08/2021, totalizando R$ 63,4 bilhões (cerca de US$ 12 bilhões) em antecipação aos acionistas relativa ao exercício de 2021”, acrescentou.

A presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann, reagiu prontamente à notícia. “Inacreditável isso! Roubo, corrupção, crime contra o povo brasileiro que paga o combustível mais caro para um país autossuficiente em petróleo! Bandidos”, tuitou.

Essa distribuição de valores aos acionistas contrasta com a realidade da população que sofre para comprar um botijão de gás, que teve alta de 47% acima da inflação nos últimos cinco anos e ultrapassa os R$100 na média nacional. A desconexão da diretoria da Petrobras com o papel social é tão grande que o general Joaquim Silva e Luna, presidente da companhia indicado por Jair Bolsonaro, chegou a rir com pergunta sobre diminuição do preço do gás para os mais pobres durante entrevista realizada em setembro.

Política de preços da Petrobras

Essa situação ainda expõe a controvérsia em torno da política de preço de paridade de importação (PPI) estabelecida em 2016 após o golpe contra Dilma Rousseff e mantida por Bolsonaro.

Para o coordenador-geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Deyvid Bacelar, o PPI tem apenas a função de garantir esse lucro recorde da Petrobras enquanto promove perdas para a população, sobretudo para os mais pobres. “O PPI deveria estar morto e enterrado desde que nasceu. Esta política tem função única de garantir lucros recordes para a Petrobrás e ganhos abusivos para os acionistas, sobretudo os estrangeiros”, disse à Fórum.

Segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), nos últimos cinco anos (outubro de 2016 a outubro de 2021), as altas nas refinarias foram de 107,7% para a gasolina, 92,1% para o diesel e de impressionantes 287,9% para o gás de cozinha. Nos postos de combustível, a alta acumulada da gasolina em cinco anos é de 74,%; do diesel, 68,2%; e do gás de cozinha, de 84,2%.

Publicidade

Somente neste ano, já aconteceram 12 aumentos na gasolina, 13 no diesel e 8 no gás de cozinha diretamente nas refinarias. Esses aumentos superam de longe a inflação, de 6,9%. Nas refinarias, as altas foram de 67,2% na gasolina; de 64,7% no diesel; e de 48% no gás de cozinha. Nos postos, os aumentos são de, respectivamente, 41,5%, 39,1% e de 35,8%.

Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e pela América Latina, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum Global