Fórumcast, o podcast da Fórum
24 de abril de 2018, 11h34

Enquanto Lula fica no isolamento, Henrique Alves recebeu mais de 400 visitas em dois meses

“Ele teve mais do que 400 visitas, sem um maior controle quanto ao ingresso de pessoas com instrumentos de comunicação como telefones celulares”, afirma Rodrigo Telles, em entrevista ao Estado de S.Paulo

Desde 6 de junho, o ex-presidente da Câmara e deputado por 11 mandatos consecutivos, Henrique Eduardo Alves (MDB), está preso, acusado de corrupção e recebimento de propina, durante investigações da Operação Manus, um dos desdobramentos da Lava Jato. Ele é suspeito de receber R$ 11,5 milhões de empreiteiras e está detido na Academia de Polícia da PM do Rio Grande do Norte.

E ao contrário do ex-presidente Lula, preso na sede da superintendência da Polícia Federal em Curitiba, que está praticamente em isolamento, pois a Justiça não permite quase nenhuma visita, Henrique Alves vem recebendo tratamento diferenciado. Em entrevista a Julia Affonso, para o Estado de S.Paulo, o procurador da República Rodrigo Telles revela que “apenas durante os dois primeiros meses de prisão preventiva, ele (Henrique Eduardo Alves) teve mais do que 400 visitas, sem um maior controle quanto ao ingresso de pessoas com instrumentos de comunicação como telefones celulares, o que seria impensável em um sistema prisional comum, ao qual se destina a maioria das pessoas”, afirma.

Telles integrou o grupo de trabalho que ajudava o ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, na análise dos processos em trâmite no Supremo Tribunal Federal (STF). Atualmente, além da Operação Manus, o procurador atua na Operação Alcmeon – investigação que acusa, em duas denúncias, o ex-desembargador federal Francisco Barros Dias e outros 12 alvos, por corrupção, lavagem de dinheiro, falsidade documental e exploração de prestígio.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum