No rastro do crime ambiental nas praias do Nordeste
27 de julho de 2018, 11h37

Equador se prepara para entregar Assange

Durante um discurso em Madri, Moreno afirmou que Assange terá que finalmente deixar a embaixada onde ele mora desde 2012

(Foto: AFP/Arquivo/Agencia Brasil)

Por Agência Sputnik

O Equador falou com o governo britânico sobre a situação em torno do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, que atualmente reside na embaixada do país latino-americano em Londres, disse nesta sexta-feira (27) o presidente equatoriano Lenin Moreno, informa a Reuters.

Durante um discurso em Madri, Moreno afirmou que Assange terá que finalmente deixar a embaixada onde ele mora desde 2012, relata a agência.

As especulações sobre o destino de Assange começaram depois que o jornal The Sunday Times reportou sobre a discussão de altos funcionários do Equador e do Reino Unido de retirar Assange da embaixada após revogar seu asilo. Uma fonte próxima ao fundador de WikiLeaks também contou à Reuters que a situação estava chegando ao fim.

Há alguns meses a imprensa tem especulado que o Equador estava se preparando para revogar asilo ao denunciante mais procurado do mundo, depois que a então chanceler equatoriana María Fernanda Espinosa ter dito que seu governo e o Reino Unido tinham “a intenção e o interesse na resolução da situação”.

Em junho, o novo ministro das Relações Exteriores do Equador, José Valencia, sugeriu que o refúgio de Assange não pode durar para sempre, acrescentando que o país tentou resolver o problema.

O fundador do portal denunciador mora na embaixada do Equador em Londres desde 2012 para escapar de uma possível extradição para a Suécia, onde foi acusado de estupro e agressão sexual.

A promotoria sueca abandonou o caso em maio do ano passado, mas o fundador do WikiLeaks segue na embaixada por temer ser preso ao deixar o local e ser extraditado para os Estados Unidos, onde enfrentará acusações de espionagem por vazamento de milhares de documentos secretos sobre operações militares americanas, incluindo no Iraque e no Afeganistão.

Segundo The Guardian, o Equador gastou cerca de 5 milhões de dólares com uma operação de inteligência clandestina para recrutar agentes secretos para vigiarem visitantes de Assange. A operação teria sido aprovada pelo ex-presidente equatoriano Rafael Correa e pelo ex-chanceler Ricardo Patino.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum