Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
03 de abril de 2019, 13h28

Erundina confronta Rodrigo Maia por anular convocação de Sérgio Moro: “blindagem”

Deputada do PSOL diz que decisão afronta a Constituição e não tem base legal; após confrontado, o presidente da Câmara jogará decisão para a CCJ

No Plenário, Luiza Erundina enquadrou o presidente da Câmara, Rodrigo Maia - Fotos: Pablo Valadares e Cleia Viana / Câmara dos Deputados

A deputada federal Luiza Erundina (PSOL-SP) acusou o presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM-RJ), de tentar blindar o governo. Maia anulou a convocação do ministro da Justiça, Sérgio Moro, aprovada na Comissão de Legislação Participativa, que busca esclarecimentos sobre o pacote anticrime proposto pelo ex-juiz e sobre o decreto do governo Jair Bolsonaro que flexibilizou as regras para o porte de armas.

“Só nos resta entender como movimentação política de blindagem do governo, especialmente a partir das últimas notícias quanto à agenda do presidente”, disse cara a cara com Maia, no Plenário, durante Sessão na última terça-feira (02).

Após troca de farpas públicas com o presidente Jair Bolsonaro e com Sérgio Moro, Maia tem participado de agenda e sinalizado disposição em colaborar com a tramitação de matérias de interesse do Planalto.

Com a convocação, o ministro da Justiça seria obrigado a comparecer à reunião do colegiado parlamentar. A iniciativa, da deputada do PSOL em conjunto com o colega de bancada, Glauber Braga (PSOL-RJ), havia sido aprovada na semana passada.

Em questão de ordem para contestar a decisão do presidente da Câmara, Luiza Erundina apontou que a anulação da convocação configura restrição “de competência constitucional assegurada ao Congresso, sem qualquer amparo normativo legal”, além de “afronta ao regimento interno”.

A deputada repudiou o argumento de que a Comissão de Legislação Participativa não teria competência para convocar Sérgio Moro.

“O escopo temático da comissão não é mais restrito que as demais, e sim, mais amplo”, frisando ainda que a competência de exigir a prestação de informações de ministros de Estado não se restringe a um ou outro colegiado parlamentar.

Após ser enquadrado por Erundina, Maia pontuou que não existe recurso contra decisões da presidência, mas recuou parcialmente ao informar que remeterá o caso à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) para que seus membros avaliem as atribuições da Comissão de Legislação Participativa.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum