Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
02 de julho de 2019, 10h33

Ex-presidente do BNDES, Levy desmonta tese da “caixa-preta”: Passam informações incompletas para Bolsonaro

Uma das principais lendas propagadas durante a campanha eleitoral do "mito" Jair Bolsonaro - juntamente com a mamadeira de piroca e o kit gay -, a tese da "caixa-preta" do BNDES foi desmontada pelo ex-presidente do banco, Joaquim Levy, que deixou o cargo no dia 16 de junho

Paulo Guedes empossa o presidente do BNDES, Joaquim Levy, observado por Bolsonaro (Reprodução)

Uma das principais lendas propagadas durante a campanha eleitoral do “mito” Jair Bolsonaro – juntamente com a mamadeira de piroca e o kit gay -, a tese da “caixa-preta” do BNDES foi desmontada pelo ex-presidente do banco, Joaquim Levy. Indicado por Paulo Guedes, ministro da Economia, para o cargo, Levy se demitiu no último dia 16.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

“Ele (Bolsonaro) tem uma preocupação com o tema. Às vezes as pessoas talvez passem informações incompletas (para ele) e houve mal-entendidos”, disse Levy, em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo nesta terça-feira (2), ao ser indagado sobre o “discurso da abertura da caixa-preta”.

Sobre o tema pelo qual teria sido fritado por não ter tomado as devidas providências, o ex-presidente do BNDES diz que o que há é apenas uma “distorção” pelo fato de, muitas vezes, empreiteiras serem donas de obras inteiras.

“Por exemplo, num projeto de US$ 2 bilhões, US$ 1,3 bilhão era destinado para pagar despesas no País da obra, ou para comprar equipamento, por exemplo, uma turbina ou um guindaste. Eram esses equipamentos o motivo original de o BNDES financiar a exportação. Mas o grosso do equipamento não saía do Brasil. Na verdade, nesse exemplo, apenas uns US$ 150 milhões iam para pagar produtos brasileiros. Aí, eram financiados US$ 550 milhões, US$ 600 milhões em serviços de engenharia”, disse, afirmando que esse modelo gerava uma “fragilidade grande”.

“Uma fragilidade grande, porque não se conseguia medir uma fração muito grande do empréstimo. É o que chamei na CPI de uma questão aritmética”.

“Governo tem de dizer o que quer”
Segundo Levy, Bolsonaro e Guedes implantaram uma confusão na gestão econômica com o objetivo de privatizar tudo o que for possível e falta direcionamento na política do BNDES.

“O governo tem de explicitar o que quer do BNDES. Por que é fácil vender IRB, debêntures da Vale, privatizar a Codesa (Companhia de Docas do Espírito Santo)? Porque tem um marco legal muito claro. Tem a legislação do PND (Programa Nacional de Desestatização). Agora, vamos vender as ações da Petrobras? Então preciso saber o que fazer com o dinheiro. O governo tem de dizer o que ele quer”, afirmou.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum