FHC sinaliza apoio a Lula em entrevista à CNN

“Claro que sou do PSDB, e prefiro, mas se o Lula for capaz de se expressar de uma maneira, o que eu posso fazer? Eu respeito a força do presidente Lula”, disse o tucano

Um dos cardeais do PSDB, Fernando Henrique Cardoso (FHC) voltou a defender, nesta segunda-feira (21), a chamada terceira via para as eleições à presidência em 2022. Porém, FHC declarou que se um novo nome não for viabilizado, é preciso apoiar o também ex-presidente Lula (PT), em uma disputa contra Jair Bolsonaro (sem partido).

“Claro que sou do PSDB, e prefiro, mas se o Lula for capaz de se expressar de uma maneira, o que eu posso fazer? Eu respeito a força do presidente Lula. Ele se situa, sabe se colocar. Eu prefiro que alguém do PSDB, mais jovem, saiba fazer a mesma coisa. Eu prefiro. Mas, em política, não podemos escolher adversário”, relatou FHC, em entrevista à CNN Brasil.

Fernando Henrique, que completou 90 anos em junho, declarou, ainda, que deseja ver o PSDB lançando candidatura própria. No entanto, não descartou que os tucanos apoiem outro nome. “Claro que se tiver alguém do PSDB, com a capacidade de agrupar, que seja essa pessoa. Mas, se não tiver, vamos juntar.”

O ex-presidente, porém, não acredita que Bolsonaro tenha um posicionamento frontalmente contrário à democracia. “Eu, sinceramente, não acredito que o presidente Bolsonaro tem uma visão de corrupção da democracia. Mas, sem querer, a dinâmica política pode levar a fazer isso”, opinou.

Impeachment

Em relação à possibilidade de impeachment, FHC acredita que pode acontecer, embora não defenda o processo: “O melhor é que não se chegue ao impeachment. Não sou torcedor do impeachment. Acho que pode acontecer, mas depende do comportamento do presidente. Se ele se comportar e seja contrário às leis abertamente, não tem como.”

Avatar de Lucas Vasques

Lucas Vasques

Jornalista e redator da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR