Filho do anfitrião do jantar de Bolsonaro com empresários posta fotos do encontro: participantes aglomerados e sem máscara

Encontro foi marcado por elogios de empresários contrários ao lockdown a Bolsonaro e críticas a Doria e ao PT

No jantar realizado entre Jair Bolsonaro e nomes do meio empresarial na última quarta-feira (7), em São Paulo, a maioria dos participantes permaneceu sem máscara e aglomerada. A princípio, a informação repassada por alguns dos presentes era que boa parte deles estaria usando a proteção, mas não é o que mostra foto postada por Ton Cinel, filho do anfitrião Washington Cinel, nas redes sociais.

Na Imagem, Ton Cinel aparece posando com o filho do presidente, Eduardo Bolsonaro. Ambos não usavam máscara e é possível ver, ao fundo da foto, que outros participantes também estava sem a proteção e próximos uns aos outros.

Um deles é o presidente do Banco Central, Roberto Campos, que aparece também desprotegido e desrespeitando os protocolos contra o contágio do coronavírus.

Poupado de críticas

Durante o jantar, o presidente Jair Bolsonaro foi poupado de críticas, mesmo diante do fato de que o país vive uma tragédia sanitária e econômica que é fruto direto da maneira como o atual governo lida com a pandemia.

Relatos de presentes dão conta que o presidente se comprometeu a acelerar a vacinação contra a Covid, mas ele seguiu pregando contra as medidas restritivas, o que teria sido endossado pelos empresários. O grupo de cerca de 20 pessoas era composto por nomes como o de David Safra, presidente do Banco Safra, Luiz Carlos Trabuco Cappi, presidente do conselho de administração do Bradesco, André Esteves, fundador do BTG Pactual, Rubens Ometto Silveira Mello (Cosan), Flávio Rocha (Riachuelo) e Paulo Skaf, presidente da Federação da Indústria do Estado de São Paulo (Fiesp), além do anfitrião do jantar, Washington Cinel, dono da empresa de segurança Gocil, entre outros.

Segundo o jornal Valor, que teve acesso a um áudio das falas feitas durante um encontro, Bolsonaro pintou um Brasil atrativo para os negócios, ignorando o fato de que o país tem apresentado sucessivos revezes nos indicadores econômicos.

“Tem de olhar o lado bom do país. Os investidores estão acreditando no Brasil. Basta olhar, hoje, o leilão dos aeroportos. Não existe terra melhor do que essa!”, afirmou.

Em outro momento do jantar, Bolsonaro ainda resolveu atacar o PT e, mais uma vez, teria recebido apoio dos presentes. Segundo o presidente, se Fernando Haddad tivesse ganhado a eleição de 2018 “o Brasil teria afundado e virado um caos”, como se não fosse exatamente essa a situação do país.

“Estamos com o senhor. O Brasil não volta para ladrão e vagabundo”, teria respondido um dos empresários.

As críticas que os empresários não fizeram a Bolsonaro, segundo relatos, teriam se voltado, além do PT, para o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), por conta das medidas de restrição decretadas para frear a transmissão do coronavírus.

Além dos nomes do setor empresarial, estiveram presentes no encontro o deputado federal Ricardo Barros (PP-PR), o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Onyx Lorenzoni, o presidente do Banco Central, Roberto Campos, o ministro das Comunicações, Fabio Faria, o ministro da Economia, Paulo Guedes, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, entre outros membros do governo.

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista e repórter especial da Revista Fórum.