Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
01 de março de 2019, 07h26

Filhos de Bolsonaro celebram a revogação da nomeação de Ilona Szabó por Sergio Moro

Flavio chamou Ilona de "cara de pau" e Eduardo comemorou a saída também do sociólogo Renato Sérgio de Lima com um "grande dia". Declarações mostram que, diferente do que disse Bolsonaro - que os filhos não mandariam mais no governo -, clã continua exercendo forte pressão

Bolsonaro com os filhos, Eduardo e Flavio - Foto: Reprodução

O senador Flávio Bolsonaro (PSL/RJ) e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL/RJ) comemoraram no Twitter a revogação da nomeação da cientista política Ilona Szabó, diretora do Instituto Igarapé, que havia sido nomeada por Sergio Moro para integrar o Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária.

De volta às redes sociais, após um sumir durante o auge do Caso Queiroz, Flávio Bolsonaro chamou Szabó de “cara de pau” por aceitar o cargo. “Meu ponto de vista é como essa Ilana Szabó aceita fazer parte do governo Bolsonaro. É muita cara de pau junto com uma vontade louca de sabotar, só pode”, tuitou.

Já Eduardo, celebrou também a saída do sociólogo Renato Sérgio de Lima, presidente do Fórum de Segurança, que pediu sua exoneração “em caráter irrevogável e em solidariedade à cientista política Ilona Szabó de Carvalho, que foi colocada em uma situação constrangedora”.

“Após exonaração de Ilana Szabó outro que era contra o projeto anti-crime de Moro pede para sair. O desarmamentista Renato Sérgio de Lima, do Conselho Nacional de Segurança Pública e Defesa Social, dispensou-se em solidariedade a Szabó. #grandedia”, escreveu o 03 do clã Bolsonaro no Twitter.

Pressão
Diferente do que foi declarado por Bolsonaro – de que os filhos não mandariam mais no governo -, a revogação da nomeação de Ilona mostra que o clã ainda exerce forte influência no Planalto, contando com a mobilização de bolsonaristas nas redes sociais.

O próprio ministro Sergio Moro admitiu, em nota emitida pela pasta, ter sofrido pressão e que a revogação foi provocada por “repercussão negativa em alguns segmentos” da sociedade.

Em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo, a cientista social afirmou que grupos que dão sustentação ao governo Bolsonaro, como o MBL, “precisam de inimigos, e por isso não estão comprometidos com o debate democrático”.

“Hoje cedo eu estava sentindo a temperatura bastante quente. Mandei uma mensagem para a chefe de gabinete. O ministro Sérgio Moro me ligou de volta. Dado o clima, eu sabia que o risco existia. O ministro me pediu desculpas. Disse que ele lamentava, mas estava sendo pressionado, porque o presidente Bolsonaro não sustentava a escolha na base dele”, disse.

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum