Flávio Bolsonaro chama Renan Calheiros de “vagabundo” na CPI do Genocídio após relator pedir prisão de Wajngarten

O presidente da CPI, Omar Aziz, encerrou a sessão após a confusão

Após o relator da CPI do Genocídio, Renan Calheiros (MDB-AL), defender que o ex-secretário de Comunicação da Presidência da República, Fábio Wajngarten, seja preso por mentir em depoimento na nesta quarta-feira (12), o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) foi à comissão defender o ex-secretário e xingar o relator.

“Na minha opinião não houve nenhuma mentira. Há claramente senadores que querem usar isso aqui de palanque. Presidente, eu peço que siga na linha que colocou. Que a CPI busque colaborar com a vacina, salvar vidas e não fazer de palanque como tenta o senador Renan Calheiros a todo momento. Imagina a situação: um cidadão honesto ser preso por um vagabundo como Renan Calheiros”, disse o filho do presidente Jair Bolsonaro, que só apareceu no final da sessão.

“Olha a desmoralização. Você é um vagabundo, um vagabundo”, completou Flávio.

Renan, então, respondeu fazendo referência ao escândalo das rachadinhas: “Vagabundo é você que roubou dinheiro de seus assessores”.

Senadores de oposição reagiram e pediram providências ao presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM). Aziz decidiu suspender a sessão em razão do início das atividades no plenário do Senado. A comissão volta à noite.

Antes da aparição de Flávio, Aziz se recusou a pedir a prisão de Wajngarten. “Eu não sou carcereiro de ninguém. Se ele mentiu, temos como pedir o indiciamento. Aqui é não é um tribunal de julgamento”, afirmou.

Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e latino-americanista convicto, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum América Latina

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR